AEROPORTO DE MACAPÁ
Ruy Guarany Neves

Se tivessem feito uma pesquisa para que a população opinasse a respeito da construção do novo aeroporto de Macapá, certamente as autoridades da INFRAERO iriam se supreender com o resultado de mais de 60% favoravel a mudança para outro local mais afastada do área urbana da capital.

Construido em 1970 , sob a responsabilidade da COMARA,o aeroporto já não apresenta as mesmas condições de segurança de vôo que existe à alguns anos. Acontece que, com a transformação do Amapá em Estado, a nossa capital passou a ter um crescimento acelerado e hoje, o aeroporto já se encontra praticamente na área urbana. E por mais que as obras do entorno impliquem na indenização e retirada de várias edificações particulares, o ângulo magnético do aeroporto dificilmente ficará livre de grande número de torres autosuportadas que existem em todos os bairros da cidade.

Sabendo-se de que a INFRAERO está entre as estatais que mais arrecadam no País, acredita-se que, com um pouco mais de recursos, daria para construir um novo aeroporto, mais afastado, fato que ofereceria maior segurança de voo.

Inicialmente orçada em 113 milhões de reais, com o prazo de 30 meses para a sua conclusão a construção do novo aeroporto poderá exigir o reforço dos chamados termos aditivos, o que, de certo modo elevaria o custo inicial.

Agora que as decisões foram favoráveis a modernização do atual aeroporto, só nos resta aguardar os bons resultados, no tocante ao melhor atendimento da população, sem afastar a hipótese de que, no futuro, a INFRAERO venha cair na real e passe a admitir de que o melhor teria sido investir na mudança para outro local.