A CAÇADORA DE DEMÔNIOS

Leide Vonlins - acadêmica de Letras

Venho de um planetinha distante daqui. Um lugar que hoje é até habitável, mas houve um tempo em que isso não era possível e pessoas com minhas habilidades eram necessárias nos quatro quantos daquele mundo. Nosso trabalho era muito intenso e perigoso, e eu me divertia muito com o que fazia. Mas, foi dito que quando nossa missão chegasse ao fim, todos nós teríamos de evoluir e abandonar nossa personalidade que somente tinha serventia para aquele tipo de atividade. Um dia finalmente conseguimos concluir nossa meta. Mas não quis abandonar minha maneira de ser. Infelizmente, como não poderia conviver do modo como era em um lugar onde meus meios de vida já não mais se harmonizavam com as energias sublimes conseguidas com muito afinco, tive de optar: ou abandonava minha forte personalidade para galgar os degraus da evolução pessoal, ou seria condenada à involução. Para surpresa de todos optei por uma terceira saída a qual não figurava na relação dos mentores daquela classe de seres: escolhi o exílio. Daí em diante, abandonei meu próprio lar. Rumei para o espaço infinito na certeza de que acharia um novo mundo onde minhas habilidades seriam necessárias. Meu nome é Leide Vonlins. Minha atividade? Bem... sou caçadora de demônios, e sem a menor modéstia, eu adoro o que faço!

Hoje estou neste novo planeta ainda em estágio de crescimento. As pessoas aqui são muito parecidas com as de meu mundo. A diferença é que a miscigenação galáctica aqui é permitida, portanto, diversas raças podem ser encontradas perambulando por aqui e ali. Aqui se vivem numa mistura de era medieval com um espantoso e incrível desenvolvimento tecnológico. Tudo convivendo numa perfeita harmonia e simbiose. Cada um com sua crença, sua profissão de fé. Existe a independência da etnia, mas uma linguagem universal é utilizada pelos habitantes. Com minhas habilidades, facilmente me adaptei a seus ritos, formas e costumes. Infelizmente a lei do mais forte ainda impera. O medo e o terror ainda são infundidos por aqueles que dominam a maior constituição planetária, e os menos favorecidos pela sorte, saúde, ou inteligência, se submetem ao pânico, e à mediocridade, ou à simplicidade opcional de uma vida singela. Muitos lutam por sua independência, e aqueles que possuem força suficiente para se impor, vencem, caso contrário, são aniquilados. Não bastasse tudo isso, ainda existe o pavor que impera nas partes baixas deste mundo. Um pavor vindo do sobrenatural, um pavor que vem na forma de demônios. É aí que eu entro e me divirto. Pois posso dar plena vazão à minha capacidade destruidora, sem qualquer remorso. Sou uma demolidora e me regozijo disto. Por isto ainda não tive condições de evoluir. E, no momento nem o quero. O prazer o qual sinto em destruir tais entidades me enche de satisfação. O desafio de encontrar uma nova criatura das trevas e poder aniquilá-la é por demais grande.

Chegará um dia em que terei que batalhar contra o maior de todos os demônios; um demônio que por enquanto sei ser muito mais forte que eu. Não o temo, pois nos últimos anos ele tem sido meu aliado. Onde quer que eu vá, ele sempre está lá. Afinal de contas, esse demônio o carrego dentro de mim mesmo! A condição para minha evolução em meu planeta era exatamente esta: destruir meu próprio demônio pessoal. Não o quis. Por agora. Estou bem assim. Ainda existem lugares que precisam de mim neste estágio. E assim o é por enquanto.

Adquiri com o passar do tempo uma fama especial nesta localidade. Sou considerada uma mercenária da luz. Interessante essa posição. Vendo meus préstimos para combater em favor de quem pagar, todavia o único preceito que exijo é que seja um combate contra as forças malignas. Sejam elas quais forem. Nunca encontrei adversário à minha altura. Alguns deram extremo trabalho, mas jamais fui derrotada no que faço.

Assim sou eu. Satisfeita com meu trabalho, minha meta. Uma mulher dura, fria e calculista que se satisfaz rompendo regras e normas de vez em quando. Meus sentimentos nunca puderam ser expostos. A não ser os sarcásticos. Vivo só e minhas necessidades são ínfimas. Em verdade me alimento apenas por diversão. Meu corpo possui uma capacidade auto-regeneradora e auto-sustentadora. Sou fisicamente perfeita. Reflexos e força extraordinários. Uso de certas armas apenas por uma questão de opinião, pois certos demônios são inatingíveis por espadas, tiros, ou raios; então a coisa fica no corpo a corpo. Em última instância tenho de recorrer à parte mística. Fui mestrada nessa área por uma questão óbvia. Portanto, sou plena e segura de mim mesmo. Entro e convivo onde bem entender e onde bem quiser. Nada foge a meus instintos e reflexos. Sou consciente e intuitiva, diplomática e plebéia. Gosto mais de estar no meio da ralé. Sempre pronta a arrebentar as fuças de algum metido a engraçadinho ou valentão, apenas por diversão. E isto é o que não falta por aqui, e é assim que vou vivendo minha vida, sempre a espera de um novo confronto.