ESTÁ FALTANDO COMANDO

Ruy Guarany Neves

Finalmente a tão anunciada mudança no escalão do governo do Estado, aconteceu na terça-feira. Antes porém de anunciar os nomes que comporiam o primeiro escalão, o governador Waldez Góes usou da palavra para uma prestação de contas da sua administração e ao mesmo tempo anunciou os novos rumos que o governo deverá tomar a partir de 2005. Uma utopia ali e outra acolá, a fala do governador acabou não convencendo aqueles que estão acostumados a ouvir retóricas mirabolantes e recheadas de conotações eleitoreiras. E como não poderia deixar de ser, as pontes do Oiapoque, Vila Nova e Jarí, voltaram a baila, com a afirmação de que tudo está sob controle, os recursos aprovados e a execução dos projetos teria lugar em 2005. Da parte que me toca, confesso que a minha idade de acreditar em Saci Pererê já passou...

Mas, analisando bem a nova composição do governo, de nada adiantará se o Estado continuar sem comando. Aliás, algumas pessoas chegaram a fazer a comparação do governo Waldez com os governos Annibal Barcelos e João Capiberibe e chegaram a conclusão de que Waldez sequer se aproxima dois dois em matéria de comando. De fato, Barcelos aprendeu na caserna que ordem dada se cumpre e se estiver errada, depois se corrige. Já Capiberibe, também bom de comando, é detentor de um auto preparo, além da larga experiência adquirida durante o exílio.

Analisando bem esse troca-troca do governo Waldez Góes, verifica-se que a orquestra poderá atuar ainda mais desafinada, já que, quem tocava trompete passou para a zabumba, o do banjo para o teclado, o do bambolim para o clarinete, e assim por diante. Quanto ao maestro, não se preparou para dirigir o elenco...