Amazônia Groove

Sérgio de La-Rocque

Amazônia Groove é o nome do novo disco do cantor-compositor paraense Marco André. Um projeto que mergulha a fundo nos ritmos pulsantes na região das grandes águas, mixando samplers, guitarras, teclados e loopings eletrônicos a curimbós, barricas, tamborins caboclos, caixas de Marabaixo, caixa alta de Marambiré, matracas entre outras percussões típicas do universo folclórico do norte do Brasil e de alguns de seus países vizinhos. É uma viagem fascinante a um mundo mágico ainda pouco conhecido do grande público brasileiro, principalmente por nos trazer a música feita na Amazônia de forma revisitada, atual, moderna, com letras diferentes da sempre tradicional linguagem cabocla, sem que a mesma passe despercebida dentro do contexto do projeto proposto.

Marco conta que foram anos tentando desenvolver este trabalho, até porque as melodias amazônicas são de um lirismo muito forte, fazendo com que as harmonias se tornem quase sempre doces, de difícil conexão com a atitude transgressora encontrada na música Pop.

Não foi pretensão do artista adequá-los à forma primitiva de suas execuções, nem tão pouco mostrá-los associados exclusivamente às melodias típicas entoadas no folclore nortista. Foram criados a partir de células rítmicas originais, grooves (levadas, swings), que permitiram um resultado sonoro entre a cultura de raiz e a parafernália tecnológica usada nas produções musicais hoje em dia.

Vários ritmos estão presentes nessa fusão: O Samba de Cacete da cidade de Cametá, interior do Pará, deságua num pop romântico em duas canções, Escudo e Varrido de Amor. O Carimbó, ritmo maior do estado paraense, está presente em 3 faixas combinado a efeitos espaciais de guitarras e teclados, sendo uma, um pout-porri com participação especial de Mestre Verequete, com seus quase noventa anos de idade e música de Pinduca, O Rei do Carimbó. O lundu aparece de forma mais tradicional em Valium, mesclado com o carimbo, numa espécie de mantra existencial. O Boi-bumbá, muito comum na região, e o Marabaixo do estado do Amapá, transitam pelo disco num alucinado resultado somado a loopings de Drum’n’bass, nas Ao Som da Barrica (Drum’n’boi) e Função das Coisas. Há ainda um Merengue saboroso, influência da programação das rádios Caribenhas no passado, dos famosos compositores Paulo André e Rui Barata, o Baiuca’s Bar. Encontramos ainda o Bangüê em E Tudo dexa de Lado e o Zouck das Guianas num pequeno trecho da música De Flor em Flor. Vale a pena embarcar nessa viagem, concebida de forma inédita, situando a região dentro de um conceito universal de cultura a partir de suas manifestações folclóricas tradicionais, sendo o artista o único representante da fusão rítmica encontrada na gravação do CD Amazônia Groove