Brasil mais rico que EUA?

João Augusto Rodrigues*

Dia desses, folheava uma dessas publicações empresariais que recebo com freqüência e uma, editada por uma cooperativa, chamou minha atenção. O título era: “Quem é mais rico, o Brasil ou os Estados Unidos?” Traçava um paralelo entre o nosso país e os Estados Unidos, provando por A + B que essa Terra Brasilis é muito mais abastada. Assinado por Alexandre Garcia, o escrito, no mínimo, é muito curioso. Relatava o autor:

“Um amigo americano acaba de me mandar uma carta, com o resultado de uma comparação entre nós e os americanos. Uma discussão em que o ianque prova, pela ciência exata da matemática, que nós, brasileiros, somos mais ricos que os americanos. Segue a carta:

Caro amigos brasileiros e “ricaços”! Vocês, brasileiros, pagam o dobro do que os americanos pagam pela água que consomem. Embora tenham mais água disponível (aproximadamente 25% da reserva mundial de água doce está no Brasil).

Vocês, brasileiros, pagam 60% a mais de tarifas de telefone e eletricidade. Embora 95% da produção de energia em seu país seja hidrelétrica (mais barata e não poluente), nós, pobres americanos, somente podemos pagar pela energia altamente poluente, produzida em termelétricas à base de carvão, petróleo e nas perigosas usinas nucleares.

Vocês, brasileiros, pagam o dobro por gasolina, que ainda por cima é de má qualidade, que acaba com os motores dos carros. Não dá para entender: seu país é quase auto-suficiente em produção de petróleo e ainda assim tem preços tão elevados. Aqui nos Estados Unidos, nós defendemos com unhas e dentes o preço do combustível que está estabilizado há vários anos. Gasolina pura, sem mistura.

Por falar em carro, vocês, brasileiros, pagam R$ 40 mil por um carro que nós, nos Estados Unidos, pagamos R$ 20 mil. Vocês dão de presente para o seu governo R$ 20 mil para gastar não se sabe onde, já que os serviços públicos no Brasil são um lixo perto dos serviços prestados pelo setor público dos Estados Unidos.

Na Flórida, caros brasileiros, nós somos muito pobres, o governo estadual cobra apenas 2% de imposto sobre valor agregado (equivalente ao ICMS no Brasil) e mais 4% de imposto federal, o que dá um total de 6%. No Brasil, vocês são muito ricos: afinal, concordam em pagar 18% só de ICMS.

E já que falamos em impostos, eu não entendo por que vocês alegam serem pobres. Afinal, vocês não se importam em pagar, além desse absurdo, mais PIS, Cofins, CPMF, ISS, INSS, IPTU, IPVA, IR, ITR e outras dezenas de impostos, taxas e contribuições, em geral com efeito cascata, de imposto
sobre imposto, e ainda fazem festa nos estádios de futebol e nas passarelas de carnaval. Sinal de que não se incomodam com esse confisco maligno que o governo promove, lhes tirando quatro meses por ano do seu suado trabalho.

Nós, americanos, lembramos que somos extremamente pobres, tanto que o governo isenta de pagar imposto de renda todos que ganham menos de US$ 3 mil por mês (equivalente a R$ 9.300,00), enquanto aí, no Brasil, os assalariados devem viver muito bem, pois pagam imposto de renda todos que ganham a partir de R$ 1.200,00. Além disso, vocês têm desconto retido na fonte, antecipam o imposto para o governo, sem saber se vão ter renda até o final do ano.

Aí no Brasil, vocês pagam escola e livros para seus filhos porque, afinal, devem nadar em dinheiro. Aqui nos Estados Unidos, nós, pobre país americano, como não temos toda essa fortuna, mandamos nossos filhos para as excelentes escolas públicas com livros gratuitos”.

Muitas outras coisas ainda são listadas. Enquanto isso, nós aqui permanecemos sem argumentos para contestá-lo. Até quando?

*Presidente da Associação Comercial do Pará