AMAPÁ: O MELHOR PARA JUVENTUDE NA AMAZÔNIA

O Estado do Amapá foi considerado pela UNESCO o melhor lugar para jovens de 15 a 24 anos viver da região amazônica, ficando a frente de grandes estados como Pará e Amazonas, que tem orçamento anual pelo menos sete vezes maior que do Amapá.

A unesco para chegar a esta conclusão utilizou o IDJ (índice de desenvolvimento juvenil), que é um índice que leva em conta o nível de violência, informações econômicas e educacionais, como analfabetismo, qualidade do ensino e compatibilidade entre idade do aluno e série que está cursando. A unesco teve como ano base da pesquisa e coleta de dados, os anos de 2000 e 2001.

Mas como poderíamos explicar que um estado pequeno como o Amapá possa estar a frente de estados como Pará, Amazonas, Bahia, Maranhão, Ceará e Pernambuco?

Se verificarmos o ano em que os dados foram pesquisados se refere ao último ano do Programa de desenvolvimento sustentável do Amapá (PDSA), que vigorou no Estado durante 7 anos e 3 meses, anos em que a juventude foi valorizada e respeitada.

Para exemplificar esta afirmação podemos citar a criação da 1ª assessoria especial para Juventude do país, que implementou durante estes anos políticas públicas especificas para atender as demandas da juventude amapaense como: Festival Jovem da Canção- FEIJOCA, que buscava incentivar o surgimento de novos talentos musicais locais; o Grafitart, para capacitar jovens em situação de risco; Fala Juventude, programa de rádio, na emissora oficial do estado; fala juventude nas escolas; Escola aberta comunidade em festa, que visava trazer lazer e entretenimento para os estudantes e para comunidade do entorno da escola; o posto jovem trabalhador em parceria com a SETRACI e utilização do Fundo de amparo ao trabalhador- FAT, que oferecia oficinas de capacitação nas áreas de serigrafia e radiodifusão, facilitando assim a inclusão do jovem no mercado de trabalho; promover seminários, palestras sobre educação sexual, prevenção contra gravidez precoce e doenças sexualmente transmissíveis, além de incentivar a organização e conscientização estudantil através das cartilhas de formação de grêmios estudantis.

A implementação constante dessas políticas públicas durante 7 anos e 3 meses, aliado a ações esparsas nos demais órgãos do governo do PDSA, pode explicar de maneira clara por que o Amapá teve este ótimo desempenho e é considerado pela UNESCO o melhor estado para a juventude viver na Amazônia Brasileira.


WENDELL RODRIGUES
Presidente Estadual da Juventude Socialista Brasileira