A MULHER QUE ENTRA

Ruy Guarany Neves

A partir de sexta feira, 5, a professora Dalva Figueiredo, PT-AP é a governadora de fato e de direito do Estado, em decorrência da renúncia de João Alberto Capíberibe para concorrer a uma vaga no Senado Federaal.

Eleita vice governadora em 1988 na chapa em que Capiberibe concorreu a reeleição, Dalva Figueiredo por várias vezes assumiu interinamente o governo, quando da ausência do titular. E diga-se que o fez com equilíbrio e competência.

Empossada no cargo em ato na Assembleia Legislativa, Dalva Figueiredo assume o Poder Executivo com todas as prerrogativas para governar o Estado durante os nove meses que restam do mandato do ex titular.

Previamente escolhida em escrutínio pela militância do PT ,Dalva Figueiredo assume o governo como pre candidata a sucessão estadual, numa disputa em que, mantidas as atuais regras, o PT e o PSB, antes aliados, se apresentarão com candidatos próprios e portanto, adversários.

Beneficiada pela lei da reeleição, já que cumpre o primeiro mandato como governadora, Dalva Figueiredo poderá concorrer ao governo do Estado sem a necessidade de se afastar do cargo, o que de certo modo, lhe oferece alguma vantagem , dada a influência que a máquina pública sempre ostentou em eventos eleitorais.

Quanto ao sucesso de Dalva Figueiredo, numa disputa eleitoral em que participa outra mulher amapaense – a deputada Fátima Pelaes- dotada de potencial político conquistado através de um trabalho parlamentar voltado ao bem comum e mais outros valores de potencial igualmente sólidos, dependerá de como o povo do Amapá irá julgar o seu governo.

O que se espera é que a governadora Dalva Figueiredo faça um governo isento de paixões e revanchismo, sem ingerências radicais e exerça o cargo com o equilíbrio necessário ao restabelecimento da harmonia entre os poderes constituidos, acatar democratricamente as críticas construtivas, abrir espaços ao diálogo franco e gerador de ideias criadoras, valorizar o que é nosso, fundamentos estes indispensáveis ao bom desempenho da governabilidade.

Para quem não sabe é bom que se diga que Dalva Figueiredo é amapaense natural do Oiapoque . Descendente de família tradicional da região, onde o seu avô João Moreira , que aprendi a admira-lo não so pela lição de vida que transmitia a todos que tiveram a felicidade de conhece-lo , mas , sobretudo pela maneira amigavel como se relacionava com as pessoas. Ainda guardo a lembrança quando João Moreira retornava das costumeiras pescarias no rio Oiapoque alegrando as madrugadas com lindas valsas ao ton de flauta, tendo à boca apenas uma folha de jaranduba . Recordo a Vitalina, o Antonio. o Eurico Moreira.

O PT chegou ao Poder no Amapá. E Dalva Figueiredo entra para a história como a primeira mulher governadora do Estado. Muito sucesso é o que desejamos a nobre amapaense da fronteira.