Televisão amapaense completa 30 anos

Rodrigo Cunha*

No final dos anos 1960, Abdala Houat, Stephen Hoaut, Moisés Zagury, Murilo Pinheiro, Remy Barros e o Padre Salvador Zona se reuniam na Paróquia Nossa Senhora de Fátima para discutir a idéia de criar uma estação de televisão no Amapá, com participação de empresários e do governo territorial. Nessa época, os amapaenses contavam com a programação das rádios Educadora e Difusora, dos jornais esporádicos e sem periodicidade, do Cine Macapá e das interferências recebidas de emissoras de televisão da Venezuela, que testavam a paciência de quem ficava em frente ao aparelho receptor.

Com as proximidades da Copa do Mundo de 1974, o governador da época, Arthur Henning, compra transmissores de São Paulo e improvisa uma estação de televisão em uma das salas da Rádio Difusora de Macapá. Os primeiros profissionais de televisão no Estado foram: o locutor Benedito Andrade, Carlos Pontes, Corrêa Neto, Damião Jucá e Ruy Guarany. Os tapes com os jogos da Copa vinham de Belém, com certo atraso. Após a Copa, a emissora do Território passou a transmitir palestras e filmes educativos.

A política integralista da Amazônia durante o Regime Militar ajudou na expansão da Rádio TV do Amazonas Ltda., uma emissora fundada em Manaus, em 1969, que já havia inaugurado geradoras em Rio Branco, Porto Velho e Boa Vista. Em Macapá, a Rede Amazônica firma um acordo com o governador Henning e recebe os transmissores utilizados para as exibições dos jogos da Copa de 1974. Nesse período, a Rede Amazônica já estava participando de concorrência pública do Ministério das Comunicações, iniciado através do Edital 10/73. Em 10 de agosto de 1973, a Rede Amazônica, do jornalista Phelippe Daou, pedira um estudo de viabilidade técnica para instalação de uma estação de televisão, pelo canal 4, com potência de 10kW.

Finalmente, em 25 de janeiro de 1975, é inaugurada a TV Amapá, emissora da Rede Amazônica, com prédio fixo na Avenida Ataíde Teive, 1282, no bairro do Trem. Hoje, seria nas proximidades do Shopping Macapá. Entre os primeiros equipamentos estava uma câmera AVC, logo substituída pelas Sony 1600 e 1800. O sinal ainda era em preto-e-branco. O improviso dos primeiros profissionais era destacado pela presença das câmeras fixas e dos slides, que auxiliavam na produção dos telejornais e das peças publicitárias. Espantoso era saber que a emissora teria sido montada em 15 dias.

Nos primeiros anos da TV Amapá, a emissora estava afiliada à Rede Bandeirantes, permitindo uma maior participação da programação local, com destaque para o primeiro telejornal "Jornal do Amapá" e para os documentários produzidos por Corrêa Neto e Hélio Pennafort, sobre cultura amapaense e o cotidiano ribeirinho. O primeiro diretor da TV Amapá foi Antônio Assmar. Destaque também para Damião Jucá, que assumira funções de cinegrafista, operador, motorista, iluminados e técnico, e a ascensão de Júlio Duarte, começando na empresa como serviços gerais, cinegrafista e, depois, se tornando diretor do programa "Documentos da Amazônia", transmitido também pelo Amazon Sat, canal segmentado da Rede Amazônica.

Em 1981, a emissora é transferida para o local onde está até hoje: Avenida Diógenes Silva, 2221, bairro Buritizal. A inauguração contou com as bênçãos do Bispo de Macapá, Dom José Maritano. Nesse período também, a TV Amapá afilia-se a Rede Globo, ganhando qualidade e perdendo espaço para a programação nacional, gerada pela recém-chegada transmissão via-satélite.

Em pouco mais de uma década, o número de emissoras em Macapá saltou de 7 para 11. Em 1994, Macapá era atendida pelas emissoras: TV Amazônia (Band), TV Amapá (Globo), TV Equatorial (Manchete), TV Marco Zero (SBT), TV Alvorada (Record), MTV Brasil e Amazon Sat. Atualmente, existem: TV Cidade (CNT), TV Macapá (Band), TV Amapá (Globo), Rede Mulher, TV Marco Zero (Record), TV Amazônia (SBT), TV Marabaixo (Rede 21), TV Tucuju (Rede TV!), Amazon Sat, Rede Vida e Rede Nazaré. Macapá ainda não conta com nenhuma emissora educativa.

Bibliografia
BAZE, Abrahim (org.). História Rede Amazônica. Manaus: Editora Valer / Instituto Cultural Fundação Rede Amazônica, 2002.
PENNAFORT, Hélio. A Imprensa no Amapá. Macapá: Fundecap, 1994.

* Estudante de jornalismo

RODRIGO CUNHA
Santana (AP)

[email protected]
[email protected]

---
"O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter" (Cláudio Abramo)