Ciência e verdade

Durante muito tempo acreditou-se que a metodologia científica era uma forma segura de se chegar à verdade. Metodologia refere-se a como se faz algo. Assim, metodologia científica representava o como fazer ciência para se chegar a resultados seguros. Bastava seguir algumas regras (fazer induções, repetir a experiência, etc) e se chegaria a uma verdade incontestável.

Hoje, depois de muitos séculos de discussão, sabe-se que a ciência não é infalível e o conhecimento gerado por ela não é eterno. O que hoje parece um conhecimento válido, pode não sê-lo amanhã. Até mesmo as teorias físicas de Newton, que pareciam perfeitas e durante muito tempo serviram de bandeira para os defendiam a infalibilidade da ciência, revelaram-se falíveis. Einstein demonstrou, por exemplo, que o tempo não é absoluto (ou seja, ele não é o mesmo em todos os lugares, todas as situações) e a mecânica quântica provou que as teorias de Newton não eram válidas para o micro-cosmo das partículas sub-atômicas.

O filósofo Karl Popper utilizou a palavra falseamento para descrever o caráter transitório do conhecimento científico.

Para Popper, uma teoria só é científica se puder ser falseada, ou seja, se for possível provar que ela está errada.

O filósofo Thomas S. Khun aprofundou o debate, afirmando que a ciência caminha através de revoluções científicas em que os paradigmas (modelos para se ver e entender o mundo) antigos são substituídos por novos em períodos de crise.

Além disso, toda pesquisa científica parte da observação, que depende dos sentidos (paladar, olfato, tato, audição, visão). Por mais que se use instrumentos que melhorem a observação, como microscópios e questionários, no final, o resultado será sempre percebido através de nossos órgãos de sentido.

Se a ciência não consegue chegar a uma verdade infalível, para que serve a metodologia?

A resposta é simples: por que é ela que caracteriza o conhecimento científico. É ela que estabelece as situações em que uma explicação é aceita como sendo científica ou não. Ou, como diz o chileno Humberto Maturama, é a metodologia que estabelece os critérios de validação das explicações aceitos pela comunidade científica.

ivancarlo.weblogger.com.br