Sai pra lá mau agouro!


Advogados de todo o Amapá se movimentam para mais uma eleição na OAB, que em novembro troca seu presidente e conselho diretor. Mas, esse ano a disputa na Ordem tem um algo mais, um certo tom de mau agouro. É que rola por aí a assertiva de que o desembargador Edinardo Souza, presidente licenciado do Tribunal de Justiça do Estado, não volta para o cargo. Depois de se afastar para tratar uma isquemia cerebral, Edinardo estaria determinado se aposentar.

Então, começa a queimar a fogueira da sucessão, na contagem agourenta para a decisão final do atual titular. A vaga de Edinardo Souza é a tal que cabe à OAB indicar. Aquele processo conhecido, a Ordem apresenta uma lista sêxtupla ao Tribunal, que, por sua vez, escolhe três nomes para submeter ao governador do estado. Então, é evidente que o próximo presidente e os próximos conselheiros da OAB terão a faca e o queijo na mão para indicar os possíveis futuros candidatos a desembargador. Opa! Quem não quer embarcar nesse bonde rumo ao tripé: dinheiro, poder e notoriedade?

Então vamos aos nomes. Rubem Bemerguy, o principal responsável pela indicação de Edinardo Souza para o Tribunal de Justiça, está com o nome circulando como candidato a presidente da OAB. A lixta sêxtupla apresentada pela OAB na ocasião, que continha o nome de Edinardo, foi reduzida a pó pelo TJAP, deixando o então governador João Alberto Capiberibe com a única alternativa de nomear o indicado de Bemerguy, na época Procurador Geral do Estado e um dos principais assessores do ex-governador. Assim foi feito, já que os outros dois nomes da lista eram a advogada Sulamir Monassa, histórica adversária ideológica de Capiberibe e o advogado, hoje falecido, Pedro Petcov, que já apresentava problemas de saúde. Bemerguy diz que não é candidato.

Com o nome na roda está também Cícero Bordalo Jr., ex-secretário de segurança pública e fiel escudeiro do ex-governador Barcellos. Sua trajetória ficou marcada pelo episódio da prisão do jornalista Antônio Corrêa Neto, editor deste site. Bordalo Jr. mandou prender o jornalista, sem mandado judicial, no estúdio da Rádio Antena 1, durante a transmissão do programa Espaço Livre. O motivo, críticas ao governo Barcellos. O caso foi parar no noticiário nacional de TV através do programa Aqui Agora do SBT. Onze anos depois, há quem diga que ele “amadureceu”. Bordalo Jr. é o primeiro assumir candidatura, lança chapa neste sábado (14) com festa no Largo da Madeira.

Elias Salviano, atual secretário geral da OAB, aparece como candidato do Defensor Geral do Estado e ex-presidente da Ordem, Helder Ferreira. Não tem grandes escorregões ou grandes feitos registrados em seu livro biográfico, mas pode vir a ser o candidato chapa branca, apoiado pelo governador Waldez Góes se Ferreira conseguir bancar seu nome no cenário pra lá de complexo do grupo, ou melhor, dos grupos governamentais. Aí é sopa no mel. O novo conselho da OAB monta uma lista sêxtupla bem ao gosto do governador que vai nomear tranqüilamente o novo desembargador.

Um outro grupo se articula para lançar candidato. Entre os nomes possíveis estão o do ex-presidente da OAB, Carlos Tork, de Américo Diniz e Evaldir Motta. Dos três deve sair um, já que todos historicamente vem se articulando no mesmo campo durante as disputas da Ordem. Esse grupo tem ainda um “As” na manga, o advogado Adelmo Caxias, que se recupera de problemas de saúde e está reticente quanto à candidatura. Adelmo unificaria setores de centro, de esquerda e advogados mais antigos, mas, pode ter uma certa dificuldade entre os profissionais mais jovens, que saem em revoadas das faculdades para cair no mercado de trabalho e na rede dos caçadores de votos.

As cartas estão na mesa. De nossa parte, desejamos boa saúde ao desembargador Edinardo, que longe do Tribunal a terá com certeza. E que os candidatos não esqueçam o quanto a instituição OAB tem sido importante para as lutas democráticas e pela cidadania deste país.

Márcia Corrêa
13.06.03