CONFIDENCIAS SOBRE A ARTE DE ESCREVER CARTAS DE AMOR

Renivaldo Costa

Eu nunca escrevi uma carta de amor. Que coisa mais triste de admitir. Mas a verdade tem que ser dita, como dizia minha avó: Dona Maria Cantuária Nascimento. Estou aqui para descobrir porque, diabos, eu nunca escrevi esta carta. Não que eu tenha tentado, na verdade eu jamais peguei na caneta pensando nisto. Talvez, por isso. Agora é tudo computadorizado, tudo eletrônico, nada de carta. E-mail. Mesmo assim; nunca digitei um e-mail de amor.

Mea culpa por não me envolver muito ou ficar me protegendo, será? Oportunidades eu acho que já tive algumas, mas não é por esse motivo que escreveria uma carta como esta. É preciso esperar "O" momento, trazer com ele toda a paixão e glamour de escrever, literalmente, a tal carta. E imagino que tudo isso culmine em uma grande felicidade de quem a receba. Não um email, uma carta de amor.

É difícil para mim, uma pessoa que prioriza o contato pessoal, delegar "ações" a outras maneiras de expressão como a escrita e, o que é mais complexo e paradoxal, sentir-se tímido em certas ocasiões inter-pessoais - tão complexo e prolíxo quanto esta oração. Mas tudo isso pode ser trabalhado com o meu psicólogo, mais tarde.

Muito dessa lacuna pode ser entendida quando você pára, realmente, para escrever e percebe que só consegue escrever frases feitas ou coisas bregas. E o pior dos mundos é se achar brega, acredite. Muitos já falaram sobre amar e ser amado, e a breguice que é o amor. O amor é assim: brega.

E saber disso tudo não ajuda muito a escrever a carta porque as coisas continuam soando brega e sem sentido. Soam como um sentimento falso, cinematográfico, coisa de novela das seis. Nada parece autêntico o suficiente. Dizer, te amo, parece uma expressão comum, banalizada por romances e bobas histórias que mataram a frase e esvaziaram seu significado. Se conseguisse ao menos começar, eu escreveria sobre fraternidade, sobre perdas e ganhos, coisas menos emblemáticas mas que fizessem sentido para a destinatária.

Pra ser sincero, toda esta breguice misturada com a cafonice nunca me atraíram e sempre me jogaram contra esta realidade do amor. Procurando, sempre, alguém para quem eu não precisasse escrever ou dizer estas coisas de amor, que sentisse por mim com a mesma ou maior intenssidade o que lhe fosse dado. Ilusão. Coisa de cinema. Que tolo pensar assim.

Mas a vedade tem que ser dita e aí está, tal qual foi sendo inventada ao longo dos anos de existência de uma grande mente ausente. Talvez seja esta a minha carta de amor.