Capi considera a
decisão do TSE
pode ser revertida


O governador João Alberto Capiberibe acha que cabe ao Congresso Nacional, e não ao Tribunal Superior Eleitoral – TSE, definir como deve ser a relação entre as coligações partidárias feitas em nível nacional e nos Estados. Embora ache importante para o fortalecimento dos partidos e da própria democracia, que haja vinculação entre os diversos níveis de coligação, o governador amapaense acha que o assunto não pode ser definido por uma resolução do TSE.
“A reforma política é uma preocupação de toda a sociedade brasileira. Ela é necessária. A sociedade não pode mais conviver com partidos políticos que alugam suas legendas às vésperas das eleições. No entanto essa reforma política não pode ser feita através de resolução do TSE. A reforma política precisa ser feita com a legislação, via Congresso Nacional. A expectativa é que haja algumas ações junto ao Supremo Tribunal Federal e que o próprio Congresso reaja no sentido de abrir um amplo debate sobre o assunto, a fim de encontrar uma alternativa para essa decisão que não me parece muito apropriada nas vésperas de uma eleição” declarou Capiberibe.

O governador afirma, ainda, que estão se tornando rotineiras as mudanças nas regras eleitorais, às vésperas das eleições. Para ele, as mudanças são orquestradas de acordo com as necessidades das elites brasileiras, acabando por restringir os avanços que a população poderia conseguir no exercício democrático. (Roberto Gato)


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Jurupary
Ente do mal. Demônio dos olhos de fogo que vive na floresta
Piracema
Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.