Encontro produz resultados positivos para Serra do Navio

Autoridades dos poderes Executivo estadual, Legislativo e Judiciário, estiveram participando neste final de semana do I Encontro da Fundação Serra do Navio, que tem como principal meta resgatar a história do município, que entrou em estado de decadência após a saída da Indústria e Comércio de Minérios (Icomi), - que tinha contrato de exploração do manganês amapaense por 50 anos, ou seja, até 2003.

Entretanto, como esgotou a reserva antes do tempo previsto, a empresa deixou o local. Enquanto a sede estava sendo administrada pela Icomi, a vila era modelo de organização e eficiência em todos os setores. Representava a rede de maior projeto privado do Estado do Amapá. Tudo funcionava satisfatoriamente, pois os moradores não precisavam sair da vila para nada. Com relação ao atendimento médico, eram efetuadas cirurgias que até hoje não se realizam na capital, mas o município conheceu um fenômeno novo: a favelização oriunda da miséria que grassava na bela estrutura, aparentemente estável.

Para resgatar toda essa beleza o deputado estadual Manoel Brasil (PMN), lançou um desafio que recebeu o apoio de várias autoridades. O projeto aprovado na Assembléia Legislativa, foi sancionado pelo governador do Estado, Waldez Góes, criando a Fundação Serra do Navio.

Segundo o autor do projeto, a fundação tem por objetivo promover a restauração, manutenção e gestão do patrimônio arquitetônico, histórico e cultural, além de promover ações de assistência à população abrangida, como forma de contribuir para o desenvolvimento da Vila Serra do Navio que foi criado em 1º de maio de 1992, através da Lei nº 007/92 e está localizada na parte centro noroeste do Estado do Amapá.

VISITA - Além de verem a viabilidade da implantação do projeto, a comitiva de mais de 70 pessoas participou de uma vasta programação de visitas ao Parque Industrial, onde foi verificada a proposta da implantação do museu a céu abeto e possibilidade da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), utilizar algumas máquinas no curso de Engenharia Mecânica. “Estamos trabalhando para trazer o melhor à população do município. Aqui temos o suporte necessário”, frisou o reitor da Unifap, José Carlos Tavares, que visualizava o curso para este ano. Na visita a Estação de Tratamento de Água (ETA), que funciona hoje com 25,2 litros por segundo, abaixo da capacidade de vasão que é de 40 litros por segundo, o diretor-técnico da Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa), João Batista, que a vida útil da estação já esgotou e tem comprometido o abastecimento de água à população e que precisa de investimentos para realizar com urgência o serviço de revitalização de todo o sistema.

Os deputados Michel JK e o presidente da Assembléia Legislativa, deputado Jorge Amanajás, que participaram da comitiva ficaram surpreso com a atual situação ora vivida no município de Serra do Navio e lançaram apoio ao projeto. “Temos que realizar o desenvolvimento com responsabilidade”, essa foi o análise do deputado Jorge Amanajás.

Ainda foi visitado, o complexo comercial Serra Box, a Igreja Santa Bárbara, Manganês Esporte Clube, sistema de tratamento de esgoto e a Unidade Mista de Saúde do município, onde funciona apenas o pronto-socorro, sala de parto, enfermaria e a pediatria.

No hospital o secretário estadual de Saúde, Pedro Paulo, informou que o Estado dispõe de recurso no montante de R$ 1,5 mi em fase de licitação para este mês e que será investido na recuperação da parte física do hospital. “Estamos mantendo contato com a direção da MMX e com os prefeitos dos municípios de Serra do Navio e Pedra Branca, para que possamos somar e trazer bons resultados á população”, frisou.

O reitor da Unifap, José Carlos Tavares, também disse que a estrutura do hospital pode ser usada no projeto de médico residente, do curso de Medicina, que será implantado no Estado do Amapá. Na localidade de Pedra Preta e Vila do Cachaço, são produzidos artesanatos e biojóias pela comunidade. O projeto que funciona na Escola Estadual 7 de Setembro, com apoio da empresa francesa Pró-Natura, que doou as máquinas atende mais de 40 pessoas da comunidade. “Estamos nos preparando para participar de feiras em Macapá”, explicou a coordenadora do projeto Rejane Lobato.

Também fizeram parte da comitiva o Secretário de Meio Ambiente e os presidentes do IPHAN e IMAP.