JOGO POLÍTICO
Ruy Guarany Neves


Bastou a morte de alguns macacos e o surgimento de dois casos de febre amarela em pessoas que habitam locais de risco e sujeitos à contaminação da febre amarela silvestre, para que o governo ocupasse a mídia nacional, para assustar a população , em patente manobra política ,visando outros fins.

A febre amarela chegou ao Brasil , no século XVII, procedente das Antilhas. A primeira epidemia , ocorreu em Pernambuco , em 1685 e em 1892, chegava a Bahia. No total, 2.000 pessoas morreram, em conseqüência da doença.

No início do ´seculo XX, o médico Osvaldo Cruz, descobriu a vacina contra a febre amarela e o último surto, ocorreu no ano de 1941. O último caso de febre amarela urbana, ocorreu no Acre, em 1942. Além da vacina contra o mal, deve se destacar a participação do SESP (Serviço Especial de Saúde Pública) , que atuou em todo o Brasil , em serviço de dedetização de residências e pontos críticos, no combate ao mosquito transmissor. A erradicação da febre amarela, foi uma vitória da saúde pública e da população, que colaborou . Difícil de ser erradicada, a febre amarela silvestre, continuou, sem no entanto, causar ameças à população urbana, que , ao longo dos anos, vem sendo protegida através das campanhas de vacinação. Transcorridos dez anos da última vacina, todo cidadão deve se dirigir aos postos de vacinação e se vascinar, evitando assim, que o surgimento de casos de febre amarela silvestre, possa causar surtos ou epidemias nas áreas urbanas. Até porque, o mosquito vetor da dengue é também transmissor da febre amarela.

Analisando bem todo esse “auê” em torno da febre amarela, dá para se admitir, de que se trata de um jogo político, com o objetivo de fazer crer a população, de que, a extinção da CPFM, está criando dificuldades ao governo para dotar a saúde pública, dos meios necessários e indispensáveis ao combate de doenças, como a febre amarela, dengue e outras mais.
Mas, quem quizer acreditar em epidemia de febre amarela, que acredite. So que eu, cá com os meus botões, vejo essa história, por outro ângulo.