A cultura do cupuaçuzeiro em Rondônia

A cultura do cupuaçuzeiro [Theobroma grandiflorum (Willd. ex Spreng.) Schum.], espécie frutífera amazônica da família Sterculiaceae, se constitui em interessante alternativa de produção agrícola integrada, que deve prevalecer na pequena propriedade rural na Amazônia. Sendo muito propício para compor Sistemas Agroflorestais - SAF’s - (consórcios), o cupuaçuzeiro, pelas excelentes qualidades organolépticas da polpa de seus frutos, que encontra muito boa receptividade no mercado regional, para o preparo de sucos, doces, sorvetes, etc., vem a contribuir na diversificação da produção, que se faz necessária na Agricultura Familiar na Amazônia, até mesmo para o enriquecimento cultural das comunidades rurais, por vezes, carentes de um melhor balanceamento em sua dieta básica. Todavia, por se tratar de uma atividade agrícola emergente, ou seja, sem maior tradição de produção agrícola em larga escala, a cultura do cupuaçu, para ser bem sucedida, precisa de uma fundamental organização da produção, em cooperativas, associações de produtores, etc., para que, contornando as dificuldades inerentes ao beneficiamento, estocagem e comercialização, se viabilize como atividade de produção agrícola sustentável, que venha consolidar a inserção desta preciosa fruta amazônica no negócio agrícola brasileiro.

Em Rondônia a área cultivada com cupuaçuzeiro situa-se atualmente na ordem de 2.000 (dois mil) hectares, plantados ao longo de, praticamente, todo o estado, com maior concentração no município de Porto Velho, onde se encontra metade desta área plantada, mormente no Projeto RECA, localizado no distrito de Nova Califórnia, onde 500 famílias de pequenos produtores rurais cultivam cupuaçu em consórcio com pupunha e castanha-do-brasil, e já dispõem de uma bem montada Agroindústria, que beneficia os frutos de cupuaçu produzindo polpa e sementes, estas propícias para a produção de manteiga, e pupunha para produção de palmito, e sementes que são negociadas para expansão do cultivo desta palmeira nos mais diversos locais por todo este Brasil afora.

A produção estimada de polpa de cupuaçu em Rondônia é da ordem de 1.500 (um mil e quinhentas) toneladas de polpa / ano, que é vendida em sua maior parte para o Centro-sul do Brasil, ao preço de R$ 2,50 por kg, ficando uma menor parte para atender o consumo local. Dos frutos do cupuaçuzeiro também está começando a ser aproveitadas as sementes, para extração de gordura, que está sendo demandada pela indústria de cosmésticos, alem da possibilidade de com estas sementes produzir o cupulate (produto em tudo igual ao chocolate), para o qual já existe tecnologia disponibilizada pela Embrapa Amazônia Oriental (ex-CPATU), de Belém-PA.

A Embrapa Rondônia, visando oportunizar melhores resultados na atividade de cultivo do cupuaçuzeiro, desenvolve em rede com as demais unidades da Embrapa na Amazônia, um Projeto de Melhoramento Genético do Cupuaçuzeiro, que começa a apresentar os primeiros resultados, com o lançamento, no ano passado pelo CPATU, de 4 variedades tolerantes à vassoura-de-bruxa, doença fúngica endêmica na região, que se constitui em fator limitante na produção de cupuaçu, e em breve a Embrapa Amazônia Ocidental - CPAA - de Manaus/AM, estará lançando 5 variedades mais produtivas de cupuaçuzeiro, decorrente do trabalho de seleção de variedades superiores levado a efeito durante quase 2 décadas por aquela instituição de pesquisa agropecuária. Graças a este trabalho integrado estamos em condições de repassar todas as informações (orientações) necessárias para o cultivo tecnificado do cupuaçuzeiro, e até mesmo para o beneficiamento de frutos e sementes, visando a que o produtor rural obtenha um retorno satisfatório do seu trabalho no cultivo do cupuaçuzeiro, mas voltamos a insistir em dizer que, plantios comerciais de cupuaçu, por se tratar de produto altamente perecível, no caso de exploração de polpa, não devem ser feitos por produtores isolados em locais de difícil acesso e sem infra-estrutura que permita o beneficiamento do fruto e sua estocagem em condições satisfatórias a que o produto mantenha inalterada toda sua ótima qualidade até chegar ao público consumidor, que precisa ser detectado e contactado através de minucioso estudo de mercado.

George Duarte Ribeiro
Pesquisador da Embrapa Rondônia
[email protected]