Hospital de psiquiatria usa a música no tratamento de doentes

Alieneu Pinheiro

Os pacientes do Hospital de Psiquiatria de Macapá contam com um novo tratamento de terapia ocupacional. Os pacientes fazem parte desde dezembro de 2007 do coral de música da Faculdade Seama. A regente e estudante de psicologia Adriana Porto diz que a participação dos internos no coral é para auxiliá-los no tratamento, além de fazê-los sentir útil no meio social.

A idéia de ingressar os internos no coral da Seama surgiu quanto estes participaram das festas de fim de ano promovido pelo hospital. Na ocasião, alguns membros do coral juntamente com os internos realizaram cantigas de natal para funcionários e doentes daquela casa.

A aceitação foi tão grande entre os internos, que a terapeuta ocupacional do hospital Roberta Guzzo, convidou a regente Adriana Porto a trabalhar junto aos pacientes o novo tratamento ocupacional.

“No inicio os novos membro do coral eram meios tímidos, mas com o tempo fomos ganhando novos adeptos como médicos e funcionários do hospital. A participação destes ajudou bastante os internos que já estavam no grupo”, explicou Adriana.

Adriana explica ainda que os médicos observaram uma grande melhora no quadro clínico dos pacientes. “Em conversa com alguns médicos, foi relatado que muitos pacientes apresentaram um bom rendimento em seus tratamentos. Tudo isso porque, os pacientes se sentem valorizados por estarem fazendo algo de útil para a sociedade”, esclarece.

A intenção do coral é se apresentar durante todo o ano, sempre em dadas comemorativas. Os ensaios são realizados todas as terças-feiras pelo período da manhã nas instalações do hospital. O coral conta com a participação de médicos, funcionários e pacientes do grupo de terapia ocupacional. No futuro a regente Adriana Porto pretende criar dois grupos de corais, uma com a participação de funcionários do hospital e outro somente com pacientes.