Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.

Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.

Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.

Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.

Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa

Jacaré Açu
Jacaré grande.

Jacaré Tinga
Jacaré pequeno

Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.

Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens

Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.

Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher

Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.

Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.

Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo

Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)

Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.

Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

 

Capiberibe recorre
de
sentença judicial

O governador João Alberto Capiberibe, através de seus advogados vai apelar para o Tribunal de Justiça do Estado, no sentido de que seja modificada a sentença proferida pela juíza Alaíde Maria de Paula Lobo, da 4ª Vara Cível da Fazenda Pública, que condena o governador e o diretor da Politec, Dílson Ferreira da Silva, a devolverem aos cofres do Estado, a quantia de R$ 26,208 mil. A condenação se refere à contratação temporária de pessoal, feita pela Politec para prestação de serviços à instituição.

Segundo o advogado do governador, as contratações foram feitas “em total consonância com os dispositivos legais, em especial a lei estadual nº 0192/94, que prevê a contratação temporária de pessoal.

No entender da defesa de Capiberibe, o pessoal contratado prestou efetivamente os serviços àquele órgão estatal, não podendo caracterizar isso um prejuízo para o Estado. Após o julgamento da apelação pelo Tribunal de Justiça do Amapá, dependendo da decisão, o governador poderá recorrer para o Superior Tribunal de Justiça e para o Supremo Tribunal Federal.