Raul Mareco-Parabéns à Beija-flor. O carnaval acabou. Agora, é hora de voltar à realidade.


Por Raul MARECO

A Beija-Flor sagrou-se bicampeã mostrando para Deus, o Diabo e o mundo, as particularidades de Macapá, e algumas do Amapá. Era mesmo obrigação da escola vencer, e é bom frisar, de sobra, pois mais de R$ 8 milhões foram "doados" tanto pela prefeitura de Macapá, quanto pelo governo do estado. E, analisando por outro viés, desta vez político, a vitória da escola de samba carioca já se tornou uma baita propaganda eleitoreira dos governantes que estão aí.

Hoje, um cidadão me questionou: "Mas, por que tanta crítica direcionada à Beija-Flor se esta nos apresentou ao mundo?". Respondi: "De que adianta nos mostrar ao mundo, se ainda não estamos preparados para recebê-lo, por conta de inúmeros descasos que assolam o povo de Macapá, do Amapá?". Foi como o jornalista Chico Bruno assinalou em recente artigo: "Mas como tudo acaba em samba...". Se realizarmos um breve resumo dos acontecimentos nos últimos cinco anos, veremos que realmente tudo acaba em samba, ou em pizza.

Pensando bem, o "carnaval" no quesito corrupção em nosso estado parece nunca ter terminado, e teima em se propagar. Este quesito, se depender do atual governo, sempre será agraciado com a nota 10. A Polícia Federal que o diga.

A passagem das alas que representam a escola de samba "Unidos pela Corrupção" detalhadamente nos apresentou diversas "habilidades".

Então, vamos às alas: a ala da Operação Antídoto, representada pelos larápios da secretaria de saúde que "ganharam" mais de R$ 40 milhões para desfilar; temos a ala "Fraudadores do Detran", que desfilaram portando em suas fantasias carteiras de habilitação com os dizeres "falso"; a ala da Operação Pororoca, onde os foliões "receberam" R$ 103 milhões para demonstrar sua evolução na avenida da falcatrua; e assim como outras alas não menos "importantes"...

Muito bem. A Beija-Flor foi bicampeã. E o Amapá, na sua opinião, é campeão também? Por um lado sim, pois finalmente foi mostrado de forma positiva ao mundo. Já por outro lado, agora que o carnaval se encerrou, o Amapá será visto com os "mesmos olhos" quando a realidade volta a ser o centro das atenções? Macapá e os outros 15 municípios serão tão lindos assim, após a consagração da agremiação carioca? Veja um comentário de um leitor anônimo no site do jornalista Corrêa Neto: "O Amapá deveria ser levado no bico de um beija flor gigante, como uma cegonha, todos os corruptos do Amapá, os que roubaram os que roubam e os que estão se assanhando para roubar".

Todos agora ficam ansiosos em esperar os retornos pensados pelo governo e pela prefeitura, só pelo fato de a escola ter desfilado com Macapá nas costas. É a longo ou a curto prazo? Nossa linda capital não terá mais buracos nas ruas como se fossem crateras lunares (dá até um enredo)? Teremos políticas voltadas para o turismo, desta vez de forma consistente, que permita que a rede hoteleira do estado seja capaz de saciar as exigências dos visitantes? Nos livraremos, de uma vez por todas, da economia do contra-cheque? Ou, enfim, o governo aprendeu vendo na Marquês de Sapucaí, como é que se faz um carnaval de verdade?

São muitos os questionamentos que deixam a todos nós perplexos, sem termos um rumo concreto. O dinheiro todo que foi despejado na Beija-Flor, e é bom o poder público se explicar de onde veio esta dinheirama, daria para resolver muitos problemas básicos que deixam nossa Macapá, e consequentemente nosso Amapá, com uma imagem muito ruim lá fora. Já era um começo. Portanto, volto a questionar: o Amapá é realmente campeão junto com a Beija-Flor? Está preparado para ser visto com uma verdadeira "jóia da Amazônia"? Meus caros, a farra acabou, durou um dia. A realidade, esta sim, é eterna...