Deputado Camilo Capiberibe quer saber quem bancou a farra na Marquês de Sapucaí.

O deputado estadual Camilo Capiberibe (PSB) declarou na tarde desta quarta-feira, 06, que encaminhará requerimento na próxima sexta-feira (08) ao governador do estado, Waldez Góes (PDT), e indicação ao prefeito de Macapá, João Henrique (PT), pedindo informações relativas aos gastos realizados nos camarote do Sambódromo do Rio de Janeiro.

O socialista quer saber se os gastos para aquisição de camarotes, comidas e bebidas foram provenientes do dinheiro pessoal das autoridades, ou se a boca-livre na Marquês de Sapucaí foi bancada com dinheiro público. A preocupação central do parlamentar é se houve ou não farra com o dinheiro público visto que o Amapá é um estado pobre, carente em várias áreas e que passa por uma crise energética severa que deixou vários municípios no escuro e que vem passando por uma grave crise também na área da saúde pública.

A outra questão é saber a procedência dos R$ 3 milhões que o governador Waldez Góes e o prefeito João Henrique disponibilizaram para a realização do carnaval da Beija-Flor. “Não podemos, em hipótese alguma, permitir que façam farra com o dinheiro público. A oposição quer saber de onde saíram os três milhões para custear o desfile da Beija-Flor, e quem comprou o camarote e as passagens para que a família do governador e seus convidados assistissem ao desfile”.

Camilo Capiberibe declarou ainda que “é inadmissível que o povo sofrido do Amapá esteja bancando comida e bebida do governador Waldez e do prefeito João Henrique e de seus familiares na Marquês de Sapucaí”. A desconfiança do deputado do PSB tem procedência visto que não houve transparência na discussão do patrocínio do governo e da prefeitura à escola de samba. “Até hoje ninguém esclareceu quem deu e quanto foi dado para a Beija-Flor de Nilópolis”.

O deputado do PSB está preocupado com a possibilidade de que dinheiro de caixa-dois tenha sido entregue para a escola de samba. Apesar dos questionamentos, Camilo Capiberibe declarou que ficou orgulhoso de ver Macapá sendo cantada na Sapucaí. “Fiquei acordado a madrugada toda para ver o desfile, e como cidadão fiquei feliz de ver a Beija-Flor levar o título cantando o Amapá. Mas, como político, fui eleito para defender os interesses da população e não vou me esquivar de fazer o meu
trabalho”.

Nas últimas semanas, a imprensa nacional vem questionando os gastos do governo federal relativos ao uso indevido com cartões corporativos. Até o ministro dos esportes, Orlando Silva de Jesus Júnior, foi alvo da mídia. “Se um ministro usa o cartão corporativo para pagar R$ 8,90 em uma Tapiocaria de Brasília e tem que se explicar e, inclusive, devolver o dinheiro, porque o povo do Amapá não pode ter conhecimento com relação aos gastos do governador e do prefeito no carnaval carioca?”, finalizou o socialista.


Raul Mareco