Gang de rua GK-2 quer
ser conhecida como
"Equipe Anjos da Paz"


Cerca de 30 jovens com idades entre 13 e 20 anos, que pertenciam à gang de rua denominada GK-2, procuraram a Polícia Interativa do bairro Perpétuo Socorro para uma solicitação no mínimo inédita: o apoio da corporação para passarem a viver como cidadãos comuns e honestos. Como forma de demonstrar essa disposição, eles disseram aos policiais que iram realizar o trabalho de limpeza, capina e pintura de toda a área que envolve a Feira de Pescado daquele bairro e que foi pichada por eles.

Agora eles querem ser chamados de "Equipe Anjos da Paz" e realizaram, durante todo o dia de ontem, 1, a limpeza do local sugerido, mesmo na chuva, que essa época é intensa em toda a região amazônica. Elizeu, líder do grupo, disse que resolveu mudar de vida quando sentiu que estava tudo errado. "As pessoas devem se perguntar: como aconteceu isso? Ora, a pessoa tendo a capacidade de mudar, muda. Basta ter força de vontade. Depois que a gente aprende o que é certo e o que é errado, só faz as coisas erradas se quiser".

Elizeu disse que procurou ajuda da polícia porque um amigo lhe disse que a Polícia Interativa é uma polícia cidadã e que está disposta a ajudar os jovens. "Só que eu criei coragem e fui em frente. Agora eu percebi que a polícia não é pra bater na gente, a polícia também é amiga, quem nos deu a primeira mão foram eles". Os rapazes pensam agora em estudar e pretendem mostrar à população que podem integrar-se à sociedade.

O Tenente Quaresma, comandante da Interativa do bairro, que também estava ajudando na limpeza, disse que o índice de violência naquele bairro era muito grande. "Nós estamos tentando mudar esse quadro. O mais importante é que esta mudança está vindo do próprio adolescente. Essa paz tem que ser feita por eles".

Ele acredita que os adolescentes tomaram essa decisão através da conscientização com relação ao meio em que vivem. "Eles perceberam que aquela vida que levavam não era uma vida digna de um cidadão. Todos estavam sentindo-se à margem da sociedade".

Agora a Polícia Interativa vai ampliar o Projeto Cidadão Mirim com a criação de escolinhas de futsal, natação, vôlei e capoeira, criando espaço na orla do bairro, que vai ser inaugurada este mês. "Eles próprios irão se organizar para fazer a cultura na praça. Nós pretendemos tirar todos das ruas".

Um grande articulador desse movimento pela paz entre os jovens é um ex-integrante de gangs, Ednaldo Souza, que prefere ser chamado de "Nego", e hoje ajuda a Polícia Interativa do bairro com uma escolinha de capoeira que agrega mais de 100 jovens. "Eu já fui membro da galera GK-2, mas descobri uma vida melhor, me tornei professor de capoeira. Agora eu uso o conhecimento das ruas, tiro o que tinha de bom e procuro passar isso para os meus alunos. Hoje eu recebo total apoio e sou tratado com muito respeito pelo pessoal da polícia".

A comunidade que está sendo beneficiada com a ação de limpeza promovida pelos adolescentes está satisfeita. Raimundo Conceição, comerciante local, disse que a atitude dos jovens é a melhor coisa que podia acontecer. "Eles deixarem de brigar e de fazer arruaça é uma coisa muito boa para eles e para a segurança de todos nós".

A Interativa do Perpétuo Socorro conta com 69 policiais que se revezam em três turnos e estão baseados no prédio do SAC (Sistema de Assistência ao Cidadão), órgão que presta diversos serviços à sociedade, como o apoio aos ribeirinhos que aportam naquele cais, bem como serviços de emergência à comunidade.

O secretário de Estado da Justiça e Segurança Pública, Sergio Andréa, esteve presente durante a limpeza e garantiu apoio aos jovens com convênios através do Conselho Interativo do bairro, para a aquisição do material que vai ser utilizado na escolinha, dos uniformes e da tinta para a pintura dos muros. "Com o trabalho, eles vão recuperar a auto-estima perdida. Retornando à escola, com a oficina de capoeira e sem violência entre eles e para com a comunidade, alcançamos uma das políticas do governo, que é paz para a sociedade. Esse é o caminho, a Polícia Interativa".

Para incentivar os adolescentes, os feirantes contrataram três deles para fazer a segurança da Feira do Pescado. ( Socorro Menezes )

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Jurupary
Ente do mal. Demônio dos olhos de fogo que vive na floresta
Piracema
Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.