Professores acusam a SEAD de irregularidades na seleção de contratos administrativos

Por Eduardo Neves

Na manhã desta segunda-feira, 01, cerca de 30 professores estiveram na Assembleia Legislativa do Amapá, para denunciar ao deputado estadual Camilo Capiberibe (PSB/AP), uma série de irregularidades ocorridas no processo de contratação de professores realizado pela Secretaria de Estado da Administração (Sead).

De acordo com a professora Rosilene Ferreira, as inscrições foram feitas no período de 09 a 12 de fevereiro e reabertas nos dias 18 e 19. Ela argumenta que muitos dos mais de 7 mil candidatos fizeram as inscrições pela internet e tiveram muitos problemas. “Nós preenchíamos uma coisa e na hora de imprimir aparecia outra. No meu caso eu não tinha vinculo empregatício e apareceu no meu cartão de inscrição que eu tinha”, denúncia a professora.

Segundo Rosilene, das 1336 vagas destinadas ao contrato administrativo, grande parte não seguiu os critérios de seleção do edital. “Tem gente que está na lista e tem vinculo empregatício em outro órgão, o que segundo o edital o candidato perderia 100 pontos e isso não aconteceu”, afirma à denunciante.

A professora, Sônia Paixão, estranhou o curto prazo que foi feito a seleção dos contratos. “Não levou três dias para que eles divulgassem a primeira lista. Procuramos a Sead, e lá ninguém sabe informar a lista oficial com os nomes dos candidatos”, reclama a professora.

Na manhã desta terça-feira, 02, uma comissão de professores estará a partir das 8h da manhã, na Promotoria de Justiça, protocolando as denúncias e pedindo para que o Ministério Público investigue o caso. “Nós queremos que seja feita justiça e que a Secretaria de Administração, contrate realmente quem tem as qualificações”, finaliza a professora Rosilene Ferreira.

 

Contato: Rosilene Paixão, professora - 8141 7446 e Sônia Paixão, professora 9111 - 4872.