Polícia vai para as ruas
e faz baixar
índice de criminalidade

Uma ação da polícia desenvolvida pela Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP) vem acontecendo desde o dia 28 de abril com a finalidade de diminuir a prática de furtos e roubos que vêm ocorrendo na cidade de Macapá. A operação tem objetivo de apreender aparelhos celulares, bicicletas e motocicletas, cujos condutores não possuam documentos. O resultado tem surpreendido os policiais, e a apreensão de 128 bicicletas, resultou em um relatório singular: " ficamos surpresos com o número de pessoas que conduzem esse tipo de transporte sem portarem os documentos de propriedade. Até agora poucos documentos nos foram apresentados, isso leva a crer que a maioria é produto de roubo", analisa Hildeberto Cruz, titular da DCCP.

O Artigo 255 do Código Nacional de Trânsito fala sobre a circulação de bicicletas, e coíbe o tráfego desse tipo de transporte sem a devida identificação. No entanto, a Prefeitura de Macapá ainda não regulamentou essa Lei. "Está no Código, na Lei nº 9503, de setembro de 1977, que as bicicletas devem ser plaqueadas, a exemplo dos veículos automotores. O ciclista também é obrigado a obedecer às leis do trânsito".

Segundo o delegado, devido ao alto índice de ocorrências com estas características registradas naquela especializada e nas delegacias de bairro, houve a necessidade da operação. Ele acredita que os receptadores merecem uma pena mais pesada "São eles que dão apoio aos bandidos. Ele compra, então ele também é ladrão. O que leva o ladrão a furtar tantos objetos é a certeza de que vai encontrar alguém que compre o produto do roubo".

Essas operações deverão continuar, obedecendo sempre o elemento surpresa, e de forma integrada com a Polícia Militar. A Falcão envolveu 50 policiais da DCCP, da Polinter e da Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes. Além desses, a integração com a Companhia Independente de Rádio Patrulha (CIRP) dobrou esse número de profissionais da segurança durante a ação. "Desagradamos a algumas pessoas, mas o fato é que nós conseguimos nosso objetivo. Até na terça-feira, 30, 15 pessoas que tiveram suas bicicletas roubadas puderam reaver seus bens. Isso me dá a certeza de que uma parcela da sociedade ficou satisfeita".

Com uma abordagem cautelosa e discreta, as áreas de atuação da equipe foram a orla do bairro Perpétuo Socorro e adjacências, rampa do Santa Inês e adjacências, invasão do bairro Araxá, e a Gruta, no bairro Zerão. "Não estamos fazendo favor para ninguém, a polícia tem que estar na rua. Nós temos que cumprir a nossa obrigação. Agora nós contamos com o apoio da população, porque é pelo interesse dela que nós estamos agindo", assegura.


Aparelhos celulares

Vários aparelhos celulares foram apreendidos e três ainda não foram procurados, isso leva o delegado a acreditar que eles são frutos de roubo. Ele informou que no ano de 2001, somente de janeiro a fevereiro, foram registradas cerca de 200 ocorrências envolvendo celulares. ( Socorro Menezes )

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.