Capiberibe inaugura fábrica,
sistema de água
e escola antes de sair.

O governador João Alberto Capiberibe, que renunciou ao cargo hoje, inaugurou ontem, dia 4, no município de Amapá, distante 302 quilômetros da capital, a escola estadual Vidal de Negreiros, que passou por reforma e adaptação; o Centro de Tecnologia, para funcionar a Fábrica de Derivados de Leite, juntamente com a reforma e ampliação do Sistema de Abastecimento de Água da Caesa. Os investimentos gerais foram da ordem de R$ 1,6 milhões. Também em Amapá, Capiberibe assinou o edital para construção do novo prédio da Camara dos Vereadores – uma obra de R$ 369 mil, que tem prazo de execução de 120 dias.

"Estas obras são resultados do estágio do desenvolvimento que chegou o Estado, com a aplicação correta do dinheiro público", disse João Alberto Capiberibe, destacando a universalização da educação como meta de seu governo. "Estamos adequando as escolas com novas estruturas para a construção do conhecimento, pensando no futuro do Amapá", continuou o governador.

A titular da Secretaria de Estado da Educação, Rosiane de Paula, disse que além da qualidade da obra, o governo está implantando um novo currículo escolar, com a melhoria da qualidade do ensino, que depende do envolvimento de todos.

A Escola Estadual Vidal de Negreiros beneficia diretamente mais de mil alunos. A obra custou R$ 1,3 milhão, empregou cerca de 50 trabalhadores e ficou pronta em 540 dias.
A área construída é de 3.626 metros quadrados, englobando 14 salas de aula, 16 banheiros (masculino e feminino), bloco administrativo, laboratório de informática, refeitório, sala de vídeo, piscina semi-olímpica, quadra poliesportiva, vestiários, além de urbanização externa.


Água de qualidade

Com os serviços no sistema de água, duplicou a capacidade de produção de água para 96 mil litros por hora, atendendo cerca de 3.531 habitantes. A obra custou R$ 110.370 – recursos obtidos junto à União.

Antes das obras o sistema atendia 2,55 mil pessoas residentes em 474 domicílios. A Caesa investiu 17 mil reais para integrar 150 novas residências à rede de distribuição, representando um aumento próximo dos 71% no atendimento da população.

Fábrica de Derivado de Leite

A fábrica, que está sob responsabilidade da Cooperativa de Derivados de Leite, funciona no prédio do Centro de Tecnologia. Neste mesmo local estão a Mini Usina de Latícinio e a Unidade de Inseminação Artificial. A obra de cerca de R$ 173 mil, foi executada em 170 dias.

A fábrica trabalha com 22 cooperadas, a maioria mulheres. Produz 100 litros diários de iogurte sabor regional, com um detalhe: o iogurte é sem conservante. Toda a produção é distribuida nas escolas municipal e estadual, além do comércio local a preço de mercado. "A intenção é chegar com a produção a mil litros diários", comentou a presidente da Cooperativa, Marizete Brito.

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.