Metodologia criada pelo Sebrae no Amapá capacita micro e pequenas empresas

A intenção é que empresas locais estejam aptas a participar de licitações governamentais e de instituições do Estado

Ana Cristina Pinheiro

O Projeto Capacitação para Fornecedores foi concebido pelo Sebrae no Amapá e lançando em outubro de 2007 com a finalidade de capacitar micro e pequenas empresas parceiras da instituição e as interessadas em prestar serviço para o Sistema S.

De acordo com a diretora administrativa, Rosemary Fabião, “o projeto surgiu em decorrência da dificuldade que o Sebrae enfrenta para a contratação de empresas prestadoras de serviços, já que muitas delas não compreendem as exigências administrativas da entidade, o que resultou num quadro limitado de fornecedores”, disse.

A partir desse cenário, foi desenvolvida uma metodologia pela psicóloga e pedagoga Emily Christmann, para reduzir entraves que, junto à gerência e diretoria do Sebrae, analisou e identificou as dificuldades das empresas em cumprir as solicitações feitas pela entidade, entre elas, a obtenção de retorno de cotações de preços.

A metodologia é dividida em três etapas. A primeira é focada em fazer com que o fornecedor conheça a empresa a que presta serviço, por meio de uma palestra de sensibilização. Na segunda fase o fornecedor é capacitado por um curso de 12 horas. E por fim, na terceira etapa, o fornecedor participa de uma oficina, na qual coloca em prática tudo o que aprendeu simulando uma licitação.

“A intenção é que as empresas prestem serviço ao Sebrae estando aptas a participar de licitações, já que muitas vezes o Governo do Estado e a Prefeitura de Macapá têm que contratar empresas de fora, por que as locais não estão capacitadas. O projeto quer que os recursos financeiros disponíveis permaneçam no Estado, gerando mais emprego, mais renda e, portanto, desenvolvimento”, finaliza a diretora, Rosemary Fabião.

Ao final da capacitação, o Sebrae acompanha o desenvolvimento das empresas oferecendo uma consultoria em loco. Atualmente, 30 empresas prestam serviços à instituição no ramo de transportes, comércio, indústria, agronegócios, entre outros. Todas em fase de consultoria. Entre essas empresas, a Astec - Assistência Técnica em Construção Civil e prestação de serviços gerais, parceira do Sebrae há três anos, está entre as primeiras que participaram do projeto.

De acordo com o proprietário, César Oliveira, “o projeto proporcionou um grande avanço à empresa que hoje presta um serviço de qualidade ao Sebrae. Além de estar muito mais capacitada, tanto para resolver problemas internos da empresa, quanto para atender as solicitações dos clientes a que presto serviço”, disse.

Além da metodologia, foi confeccionada uma cartilha intitulada O Fornecedor Visto Como Parceiro, contendo informações sobre o Sistema S, contratos e licitações. O intuito é manter o empresário informado. Desde o ano passado estão sendo capacitadas três turmas em módulos seqüenciais.

Entidades parceiras que fazem parte do Sistema S: Sebrae (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial), Sesc (Serviço Social do Comércio), Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), Sesi (Serviço Social da Indústria), Senat (Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte), Sest (Serviço Social do Transporte), Senar (Serviço Social de Aprendizagem Rural), Sescoop (Serviço de Aprendizagem do Cooperativo), Apex (Agência de Promoção, de Exportação e Investimentos) e Abdi (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial).