Companhia de Eletricidade do Amapá volta à ordem do dia na Assembléia Legislativa

O requerimento de nº. 0321/2007-AL, elaborado pelos deputados Jorge Amanajás (PSDB) e Roberto Góes (PDT), solicitando a realização no Plenário da Assembléia Legislativa de Audiência Pública no dia 21 de junho para discutir os problemas da Companhia de Eletricidade do Amapá - CEA, ocasionou após três meses, a volta do debate sobre a falimentar estatal amapaense.

O deputado do PSB, Camilo Capiberibe, recordou que "aprovamos a Audiência Pública, a pedido do deputado Joel Banha para discutir a gestão da empresa em fevereiro, quando a estatal estava no foco dos debates políticos. O evento foi marcado para o dia 29 de março último, mas por algum motivo não foi realizado".

O socialista sustentou que além do convite ao presidente da Eletronorte e ao presidente da CEA, os diretores financeiro, técnico e de recursos humanos da companhia devem ser igualmente chamados a prestar explicações sobre o real estado da estatal do setor energético. Capiberibe disse que a audiência pública será uma oportunidade de elucidar questões levantadas e que se encontram pendentes desde então. "Foi denunciado nesta Casa de Leis a existência de um complô da Eletronorte contra a CEA visando a privatização desta Companhia Amapaense. A presença do Presidente Nacional da Eletronorte permitirá que se esclareçam estes fatos".

O deputado Dalto Martins do PMDB acusou o PT do Amapá de brigar por cargos dentro da companhia enquanto a empresa se afunda. "Quem indicou o presidente da Companhia foi o deputado Joel Banha do PT, e agora ele não o quer mais no cargo em virtude de uma briga com a deputada federal Dalva Figueiredo, também petista. As interferências políticas não podem prejudicar a empresa".

O líder do Governo na AL, Roberto Góes (PDT), avaliou que "deve-se discutir o motivo de até hoje o Linhão de Tucurui não ter vindo para o Amapá. O problema de gerenciamento da CEA tem que ser discutido amplamente nesta Casa". O deputado Carlos "Keka" Cantuária, do mesmo partido de Góes, disse que se fosse votada a privatização da CEA "eu votaria a favor, assim como teria também um posicionamento igual á questão da CAESA", demonstrando que não se preocupa com a questão de manter as estatais amapaenses em poder do povo do Amapá.

Já o líder do PSB na Casa, deputado Ruy Smith, criticou a intenção de privatização por parte dos aliados do Governo PDT, afirmando que "já começa um debate para montar todo um cenário para que a privatização passe de forma agradável pela garganta do povo do Amapá".

Raul Mareco