Desenvolvimento Regional Sustentável é discutido no Sebrae

O Banco do Brasil repassou aos técnicos do Sebrae e parceiros a forma de atuação da instituição para acesso às linhas de crédito e como deve ser disseminada aos empreendedores.

Denyse Quintas
Foto: Denyse Quintas

O Banco do Brasil, em parceria com o Sebrae, realizou reunião para apresentar a estratégia de Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS), na qual busca impulsionar esse progresso nas regiões onde a entidade financeira atua por meio da mobilização de agentes econômicos, políticos e sociais.

A iniciativa do Banco do Brasil visa disseminar sua forma de atuação e a operacionalização da estratégia, que se baseia na sustentabilidade dos negócios, respeitando a diversidade cultural.

Estiveram presentes todos os gerentes do Banco do Brasil de Macapá e Santana, o conselheiro do Sebrae no Amapá, Jonas Veiga; superintendente de Varejo do Banco do Brasil Pará e Amapá, Luiz Nogueira; diretora técnica do Sebrae, Célia Brazão; gestores da Unidade de Atendimento Coletivo (UAC) e os seguintes órgãos Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama), Secretaria de Estado do trabalho e Empreendedorismo (SETE), Secretaria de Estado da Indústria, Comércio e Mineração do Amapá (Seicom), Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá (Rurap), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico de Macapá (Semdec), Instituto de Pesca do Amapá (Pescap) e as Prefeituras Municipais de Pracuúba e Itaubal.

Segundo a gerente do Sebrae, Isana Ribeiro, a metodologia se parece com a Gestão Estratégica Orientada para Resultados (GEOR) utilizada pelo Sistema Sebrae, sendo que no Banco do Brasil, o objetivo final é fazer com que os pequenos negócios tenham acesso ao crédito de forma esclarecida e consciente. “A preocupação do Banco é ser parceiro de um negócio rentável, preocupado com o meio ambiente e com o social”, disse a gerente.

De acordo com o superintendente do Banco do Brasil, Oliveira Carneiro, disse, que a instituição financeira trabalha com as associações, estruturadas e organizadas, e com os parceiros objetivando a assistência de crédito. “Para o Banco não existe limitação de valor, os recursos são ilimitados, o que vale é suprir a necessidade de cada um, o seu objetivo e a capacidade de produção”, informa.

Informações da gerente Isana, afirmam que alguns projetos executados pelo Sebrae já estão atuando com a estratégia do DRS, são eles: Mel, Fruticultura Açaí e Horticultura. Outros estão em vista de atuação como Artesanato, Pesca Artesanal e Madeira Móveis.