Bacabi é alternativa para pequenos produtores

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) descobriu uma alternativa para a produção de palmito. Segundo os pesquisadores, além de trazer menor prejuízo ao meio ambiente, também apresenta sabor e qualidade competitivas em relação à palmeira do açaí. Trata-se do palmito da oenocarpus mapora, uma espécie de bacaba, de menor porte, conhecida popularmente como “bacabi”. A espécie vem sendo pesquisada desde 1984 pelo laboratório de recursos genéticos e melhoramento de palmeiras nativas da Embrapa Amazônia Oriental, com sede em Belém.

Segundo a pesquisadora Socorro Padilha, o objetivo do trabalho “é dar viabilidade para as culturas que ocorrem naturalmente na região, principalmente nas áreas ribeirinhas”. Além do palmito, a bacabi também apresenta um bom potencial para a produção de suco, já bastante conhecido pela população rural da Amazônia; o óleo da oeno-carpus mapora poderia substituir o azeite de oliva.

Os técnicos da Embrapa comprovaram que a bacabi, além de ocorrer em quase toda a bacia amazônica, tanto em áreas de várzea como em terra firme, possui um perfilhamento abundante e de rápido crescimento, o que faz a diferença com a bacaba, que é uma árvore solitária.

A produção comercial da bacabi está sendo testada com um produtor que trabalha essa cultura nos municípios de Tomé-Açu e Capitão Poço (PA), há um ano. A equipe já realizou também uma degustação do palmito com 32 pessoas e o resultado foi considerado excelente, já que os provadores não sentiram diferença em termos de qualidade e sabor.

A Embrapa está preparando uma cartilha que será distribuída aos pequenos produtores para incentivar a utilização da palmeira. A publicação trará informações sobre cultivo, manejo, produtividade e outros dados.

“Nós estamos pensando também em apresentar um projeto ao governo do Pará, para que as instituições do setor invistam no cultivo da palmeira, nos locais onde ela ocorre naturalmente”.