Ministério Público pede esclarecimento sobre o fornecimento de água e da conclusão de obras na Zona Norte

O promotor de Justiça Paulo Veiga, do MP Comunitário, reuniu com órgãos governamentais e presidentes de associações de bairros para solucionar a carência de serviços públicos.

Danielly Salomão

Para explicar aos líderes comunitários sobre o processo de abastecimento de água da Zona Norte de Macapá, o Ministério Público do Amapá convidou nesta quinta-feira, 24, a Agência de Desenvolvimento do Amapá (ADAP), a Companhia de Água e Esgoto do Estado do Amapá (CAESA) e a Caixa Econômica Federal. A mobilização faz parte de mais uma das demandas coletivas reivindicadas por líderes comunitários, durante audiência pública no bairro Brasil Novo.

De acordo com o promotor de Justiça Paulo Veiga, um dos papéis do MP Comunitário é fazer a intermediação com as instituições públicas. “Quando vamos aos bairros, conhecemos os problemas a serem enfrentados e, para se chegar a um resultado positivo, faz-se necessário o exercício da Cidadania. O MP Comunitário está justamente para intermediar os interesses da comunidade com o planejamento dos órgãos públicos, fazendo com que demandas individuais ou coletivas sejam solucionadas”, declarou o promotor de Justiça.

A ADAP explicou um pouco sobre as obras que estão relacionadas ao reabastecimento de água, o que já foi executado e o que está em fase de execução, além de mostrar as perspectivas de planejamento futuros, tudo baseado no Projeto de Trabalho Técnico Social (PTTS). “Esse projeto interage direto com a comunidade, existe a obra de instalação, mas existe a necessidade de relação da comunidade com a obra, como: mostrando os impactos que a obra pode causar, os transtornos, e também os benefícios. Se implantamos um abastecimento de água novo, a população tem que saber como receber e utilizar essa água tratada e ter o cuidado para não desperdiçar”, informou a diretora de Programas Estratégicos da Agência, Cláudia Machado.

Segundo Raquel Baía, da Associação do Infraero I, o Ministério Público tem demonstrado um esforço muito grande para ajudar a comunidade, no sentido de ser um mediador entre as lideranças e os órgãos competentes. “Ouvimos as explanações de todos. O Ministério Público está intermediando esse contato, mas precisamos de garantias sobre o abastecimento de água em nossos bairros”, conclui a presidente.

Caesa

O Ministério Público reuniu-se por três vezes com a Diretoria da Caesa neste primeiro semestre, cobrando a execução de um plano de abastecimento de água nos bairros da Zona Norte de Macapá a curto, médio e longo prazo, por ser a principal exigêwncia dos moradores daquele setor urbano.

 

SERVIÇO:
Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá