CRISE AÉREA
Ruy Guarany Neves


Para quem assistiu a entrevista do comandante da Aeronáutica, poude verificar que a crise envolvendo os controladores de vôo e que vem provocando o caos nos aeroportos brasileiros, é mais grave do que se poderia imaginar. Todo começou, após o acidente com o avião da Gool,ocorrido em outubro de 2006 e que ceifou a vida de 144 pessoas. Observa-se, no entanto, que os problemas dos controles de vôo, já vinham se arrastando à algum tempo, sem que a Infraero tomasse providencias para sana-los. A CPI do Apagão, criada para investigar a crise, como sempre aconteceu à outras CPIs, não trouxe resultados consistentes que servissem de subsídios ao encaminhamento de providências capazes de encontrar uma solução. Ao culpar os pilotos norteamericanos e os controlador que estava de plantão , no momento em que ocorreu o acidente com o Boeing da Gool, a CPI do Apagão se preocupou em investigar os efeitos, esquecendo as causas. Ninguém melhor do que quem convive o dia a dia com os equipamentos que operam na segurança dos vôos, pode verificar o desempenho desses complexos eletrônicos. Essa questão vem sendo levantada pelos controladores de vôo, que afirmam a existência de falhas no sistema. Ora, para os aeroportos de grande fluxo de aeronaves, como Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, ignorar as advertências dos controladores, é um risco inaceitável. Todo equipamento eletrônico, precisa obedecer a manutenção qualitativa, que serve para tetectar possíveis falhas do fabricante, preventiva, que possibilita manter o equipamento em perfeito funcionamento e a corretiva , que é aplicada quando equipamento apresenta falhas ou deixa de funcionar, quando algum componente é danificado. Fica a pergunta: Será que os equipamentos operados pelos controladores de vôo, vem obedecendo rigidamente as regras de manutenção ? Até agora, o que se vê , são controladores punidos, de acordo com o Regulamento Disciplinar da Aeronáutica, como supostos responsáveis pelos atrazos dos vôos. Resta saber, quais as providências que estão sendo tomadas, no tocante a melhoria salarial e condições propícias de trabalho.