Sebrae realiza palestra para instituições culturais do Estado

O tema da palestra é voltado para a Economia da Cultura e Culturalização da Economia

Fernanda Picanço
Foto: Beliza Alfaia

Instituições culturais, representantes do segmento cultural, prefeituras e secretarias do governo estadual se reuniram na terça-feira, 26, no Sebrae, para a palestra Economia da Cultura e Culturalização da Economia. O evento teve o objetivo de sugerir formas de atuação para o Governo do Estado do Amapá, prefeituras e instituições na área da cultura e do entretenimento, nas atividades de promoção e apoio à criação e desenvolvimento de negócios culturais.

A Economia da Cultura refere-se ao estudo econômico da produção de bens culturais em sua dimensão, sendo produtora de riquezas, renda, emprego e negócios, inclusive nos setores específicos em cadeias produtivas, como a produção musical, audiovisual, festas populares, produção teatral, artística, entre outras.

A Culturalização da Economia refere-se à agregação de valor que a cultura, em conjunto com sistemas simbólicos, confere aos negócios e atividades econômicas. Trata-se de cultura em sua base material e imaterial, oferecer estratégias de inovação, gestão, marketing, design, conceitos e formatos de negócios.

Segundo o gestor do Núcleo de Economia da Cultura do Sebrae Amapá, Maikon Richardson, “foram discutidas formas de atuação que o Governo do Amapá, prefeituras e instituições culturais podem estar trabalhando para o desenvolvendo da economia da cultura na região de forma planejada, dando destaque a ações potencias que fortaleçam as cadeias produtivas e gerem resultados nas áreas política, técnica e setorial e nas redes de interação e articulação”, afirma.

Outros eixos da economia da cultura que foram discutidos foram Reconhecimento das Vocações e Identidades do Estado, Capacitação Empreendedora, Acesso a Financiamento e Serviços Financeiros, Promoção de Negócios, Inovação, Tecnologia e Aprendizagem, Formação de Redes, Políticas Públicas e Comunicação e Difusão.

“Com a realização da palestra podemos dizer que já temos um resultado positivo. Será a realização do I Seminário de Economia da Cultura e Culturalização da Economia do Amapá, em agosto. O seminário tem como objetivo apresentar o impacto da cultura na economia brasileira aos segmentos artísticos, e apontar quais suas prioridades para o desenvolvimento de ações potenciais”, conclui o gestor.