TRAGÉDIAS ANUNCIADAS

A rampa do Santa Ines sempre foi ponto de desembarque e venda dos mais variados tipos de mercadorias oriundas, principalmente, das Ilhas do Pará, município de Afuá, e sempre bem vindas. Mas, com o crescimento da cidade e sua população, a procura por aqueles produtos tem aumentado consideravelmente. Há necessidade de se dar boas condições aos ribeirinhos e à população para esse mercado ao ar livre, mas o local é inadequado, pois fica às margens da avenida Beira Rio, em uma de suas curvas, já próximo ao complexo do Araxá. Naquela feira a Prefeitura de Macapá construiu alguns quiosques que, embora ainda não estejam funcionando, deu como que uma salvaguarda para aquele mercado ali prosperar. Piorou tudo. Há veículos de todas as espécies estacionados próximos à rampa, com pessoas ávidas e apressadas para comprar o melhor do que chega, sem se importar com o grande tráfego de pedestres e carros no início da manhã, período de realização da feira. A possibilidade de acidentes aumentou em muito. Há risco para todos.

O que pode ser feito? Uma grande praça circular, de preferência, de madeira em direção ao rio. Ali os produtos seriam desembarcados e vendidos com tranqüilidade e segurança, além de se transformar em um excelente ponto de contemplação desse majestoso rio Amazonas. - (Por que não mudar o nome da avenida Beira Rio para avenida rio Amazonas?) - Os veículos seriam estacionados na outra pista da avenida, do outro lado, sem risco para ninguém, e sempre com a presença da fiscalização do trânsito.

A segunda tragédia previsível diz respeito ao igarapé das Pedrinhas. Na parte que dá acesso à Rodovia JK, do lado protegido por um muro, há várias empresas de materiais de construção, com a estocagem e comercialização de tijolos, telhas e cimentos, entre outros produtos. Os materiais são descarregados em grandes carretas e encostam, normalmente, ao lado desses estabelecimentos, com grande parte delas ocupando a pista de rolamento. Algumas vezes estacionam de forma diagonal à pista. Ora, se de lado já tomam parte da pista, imaginem de forma diagonal! É um grave risco para quem trafega nos dois sentidos, principalmente no sentido Marco Zero/Centro, pois a pista fica muito estreita para o trânsito de mão dupla, obrigando os motoristas a passar para a contra-mão. Essa descarga ocorre no horário matinal quando há um fluxo maior de veículos e pessoas.

O que pode ser feito? Proibir a carga e descarga nessas lojas com carretas ou outros veículos grandes, utilizando-se apenas pequenos caminhões e em horários de menor movimento, e sempre com a presença da fiscalização de trânsito.

Caso não haja providências imediatas é quase certo que teremos mais mortos e feridos, elevando os índices já trágicos e tristes de acidentes de trânsito em Macapá.

O que precisa para ser feito? Responsabilidade social, determinação política e coragem. Quem se habilita?

Hildemar Jorge Mauro
Cidadão
E-mail: [email protected]