Instituto de Florestas inicia programa de manejo florestal comunitário

Matão do Piaçacá, comunidade santanense, é a primeira a ser contemplada pela ação do Inflora


Criado há apenas dois meses pelo Governo do Estado, o Instituto Estadual de Florestas do Amapá (Inflora) começa a produzir os efeitos práticos da decisão governamental, de agregar valor às atividades agro-florestais do Estado, a partir da implementação do Programa de Manejo Florestal Comunitário.

O marco das atividades ocorreu nesta semana, com uma reunião de sensibilização aos produtores da região do Matão do Piaçacá, no município de Santana. A reunião contou com a presença do diretor-presidente do Instituto, Antonio Leite, acompanhado de técnicos do órgão, além de extensionistas do Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá (Rurap) e produtores rurais da região.

O presidente da Associação de Agricultores de Matão do Piaçacá, Antonio Fontenele, demonstrou entendimento sobre as vantagens do Manejo Florestal, contribuindo para a sensibilização da categoria que também ouviu atentamente a explanação do diretor-presidente do IEF, bem como as orientações técnicas do engenheiro florestal, João Cunha, da coordenadoria técnica florestal.

A preocupação dos técnicos do Instituto se volta, inicialmente, para a região do Matão do Piaçacá, no sentido de frear a degradação da região atingida por derrubadas e queimadas clandestinas. Dentro do Projeto de Manejo Florestal, a produção de carvão a derrubada e a retirada da madeira são permitidas de forma orientada.

Para derrubar e retirar a madeira, na região do Piaçacá, o projeto de manejo em andamento contempla a aquisição de um trator e de duas motoserras e envolve recursos na ordem de R$ 110 Mil, captados da Agência de Desenvolvimento da Amazônia (ADA) somado a contrapartida do Estado. Os valores já estão disponíveis e serão repassados pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural (SDR), que tem o IEF entre os seus órgãos vinculados.

A Associação dos Agricultores do Matão do Piaçacá já está tomando as providências de sua competências para dar suporte administrativo ao projeto, considerando que a etapa preliminar requer duas reuniões de sensibilização, entre técnicos e produtores, e uma de decisão pela comunidade, para que os técnicos do IEF possam realizar o Inventário Florestal e elaborar o Plano de Manejo.

O próximo passo será a juntada da documentação no projeto e envio para as considerações finais da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA). Todas essas informações são válidas para qualquer comunidade interessada em trabalhar com o Programa de Manejo Florestal Comunitário.

Com o envolvimento das comunidades no Programa de Manejo Florestal o IEF estimula a organização social para a produção, através de associações e cooperativas, além de promover a formação e a capacitação profissional

O Estado do Amapá, por sua vez, a partir do Manejo Florestal concilia o desenvolvimento com equilíbrio ambiental, garantindo renda contínua ao extrativista, mantendo a floresta em pé de forma organizada, podendo-se visualizar em cada propriedade, as áreas destinadas à agricultura, criação de animais, áreas de manejo e de preservação, entre outros usos, preservando portanto a sua diversidade de animais, plantas, rios e outros componentes do ecossistema amapaense.

Dalvaci Dias