Justiça: um fogo amigo

Temos visto um festival de prisões, resultado de longas investigações da Policia Federal. A avalanche já atingiu os mais altos postos das autoridades e instituições do país. Por alguns poucos momentos nos sentimos justiçados, vendo a lei ser cumprida, valer para todos indiscriminadamente, acreditando que a mesma é, realmente, cega não importando quem a sua espada atingiu. Qual o quê! Tudo não passa de um sonho, uma ilusão, um jogo de cena.

A Justiça, aquela que seria a guardiã da lei, funciona exatamente como o fogo amigo, atirando no próprio aliado, jogando por terra todo um trabalho exaustivo da Polícia Federal. Como os deuses no Olimpo, decidem quem está certo ou errado, independentemente dos fatos e das provas. Mesmo com as intrigas internas, os seus membros sabem se manter longe do alcance das leis, numa espécie de bunker, protegidos pela força do corporativismo.

Mas esse “susto” tem o seu lado positivo. Mesmo amparados por hábeas corpus, favorecimentos, ditadura disfarçada e frouxidão da Justiça, os infratores jamais esquecerão que foram algemados e expostos na mídia. Tiveram os seus quinze minutos de fama. O ponto que toda a sociedade quer ainda está longe, mas o caminho não tem mais volta. Um dia ainda chegaremos lá. A população deve acreditar e apoiar as ações positivas da Policia Federal.

Nunca entendemos o que é preciso, além de tudo o que é fornecido, para condenar um figurão, uma autoridade, alguém rico que resolveu agir contra a lei. Pagamos altos salários e mordomias, num país repleto de necessitados, para algumas pessoas simplesmente zombarem de nós. Será que as leis escritas não são claras? Ou existe uma fundamentação legal para prender e outra para soltar os infratores? Talvez os deuses precisem descer de seus pedestais.

Vendo-se o dia-a-dia, onde, por prudência, não podemos fazer inúmeras coisas, muito embora isso não esteja escrito em lugar algum, chegamos a conclusão que o que vale mesmo é a prática. Você acredita que alguém importante cumprirá pena na prisão? Você pára em semáforo fechado após certo horário? Você tem coragem de denunciar um traficante ou testemunhar contra ele? Se você cravou não em todas as respostas, está tudo explicado!

Vivemos entre a dúvida da validade das leis escritas e a certeza dos códigos não escritos impostos pela criminalidade. Fica muito difícil balizar o que é legal ou ilegal, para filhos e netos, num país onde não sabemos se a lei funciona como vacina contra o crime ou freio contra a impunidade e a arbitrariedade. O que os pais, as escolas, as empresas, as religiões, as entidades de classe e as associações de bairros devem mostrar como espelho da Justiça?

Há pouco mais de vinte anos saímos de uma Ditadura Militar. Comemoramos, acreditamos, ficamos eufóricos porque a imposição tinha acabado. Mas ainda não pudemos usufruir do verdadeiro estado de direito. As pessoas que assumiram, com promessas de ações diametralmente opostas, não mudaram muita coisa. Fora a liberdade para denunciar, que era proibido no antigo regime, não vemos a verdadeira Justiça atuar. Surgiu outra ditadura!!!

Assim, aprendemos, a duras penas, que nenhuma ditadura é boa. Seja de direita ou de esquerda. Que a liberdade de imprensa, o direito de opinar, o cumprimento das leis, um país mais justo e melhor para todos, só vai ser possível se a Justiça cumprir com o seu papel. De nada adianta o esforço das investigações se a Justiça simplesmente joga todo esse trabalho no lixo e coloca em liberdade quem ela bem entende. Esse é o pior fogo amigo que podemos ter.

J R Ichihara