AMAPÁ TERÁ CINCO PROJETOS NO PAC

Cerca de R$ 100 milhões serão investidos no Estado resultado da audiência entre Waldez Góes e ministros de Lula

Dois seis projetos apresentados pelo Amapá, cinco foram enquadrados no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal. A aprovação foi decidida nesta terça-feira, 10, durante audiência do governador do Amapá Waldez Góes com a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e o ministro das Cidades, Márcio Fortes, no Gabinete Civil da Presidência da República, em Brasília.

Dos projetos aprovados, dois referem-se a obras de habitação e urbanização de áreas de ressacas que contemplam os bairros Aturiá e Congos, em Macapá. A urbanização da orla do Aturiá, no valor de R$ 14 milhões, ligará o Complexo do Araxá e avenida Equatorial. A urbanização das ressacas do Congos, no valor de R$ 16 milhões, pretende remanejar famílias que vivem nessas áreas.

Os demais projetos são das áreas de águas e esgotamento sanitário propostos pela Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa). A primeira e segunda etapas das obras de ampliação e melhoria do sistema de captação e abastecimento de Macapá, orçadas em R$ 66 milhões, prevêem a construção de adutoras, reservatórios, estações de tratamento e ampliação de rede de distribuição que vão beneficiar moradores da Zona Norte, Beirol, Buritizal, Santa Rita entre outros bairros da capital.

O Governador Waldez Góes comemorou a aprovação. “É uma grande vitória, pois os cinco projetos referem-se a obras de fundamental importância para a população. Trabalhamos muito para chegar nesse estágio e adequar os projetos ao PAC”, afirmou.

O anúncio oficial do enquadramento dos projetos amapaenses será feito pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita ao Amapá, marcada para o próximo dia 26. A expectativa de Waldez é de que ainda este ano sejam assinados os convênios, entre os governos federal e estadual, referentes aos cinco projetos aprovados.

Na atual fase, o PAC beneficia apenas projetos de habitação, saneamento e urbanização para cidades com mais de 150 mil habitantes. No Amapá, apenas a Capital se enquadra neste perfil demográfico.
“Temos conversado sempre com representantes do Governo Federal sobre as necessidades de obras urbanas nas nossas demais cidades, em especial Laranjal do Jari, onde os projetos de saneamento e habitação são fundamentais”, explica o governador anunciando que projetos que contemplam outras cidades do Estado estão em elaboração, para serem apresentados nas próximas etapas do PAC.

Jailson Santos