VENENO ECOLÓGICO PARA MATAR RATOS

Vivendo, aprendendo e repassando

Édi Prado

Ratos, camundongo, catitas. Pouco importa o nome que se dá para esse bichinho nojento, que rói tudo: Sapato, parede, panela, fazem uma lambuzeira danada. E quando a praga é grande tem sempre um que inventa algum produto ou armadilha prometendo acabar com os seus problemas, bem no estilo “Seu Creizer”. Os passarinheiros sofrem com os ataques constantes desses mamíferos roedores. E foi um deles que descobriu um veneno infalível e sem contra indicação para as crianças, animais domésticos e “enxeridos”. Funciona. As catitas que driblavam os meus cães caíram na besteira de provar aquele montinho cheiroso e sedutor. Bastou provar para sentir-se “cheio”, bem satisfeito com a degustação. “Foram dormir e quando acordaram estava mortos”, sintetizou um molequinho que está sempre em casa.

Vários tipos de ratos

Tem rato para todos os gostos e preferências: Rato de praia. Bras. (1.Descuidista que age em praia.) ; Rato de biblioteca. 1. Indivíduo maníaco por investigações em bibliotecas e arquivos. Rato de hotel. 1. Larápio que age nos hotéis. Rato de sacristia. 1. Carola que vive nas igrejas e sacristias e por aí afora. Desses tipos de ratos só um deixou-me intrigado. O rato de praia classificado como descuidista. Mas se o rato de praia rouba quem está ou é descuidado, como é que atribuem este adjetivo para quem se aproveita dos descuidos dos outros? Descuidista são os que se acostumam a ficar ou ser descuidados. Quer dizer que a vítima não querendo assumir a culpa ou reconhecer que é um descuidista, culpa o outro pelo erro dele? Só pode ser.

Um aparte

Combater rato traz sempre complicação. Um amigo foi a um pet shopping, essas lojas que vendem de tudo para animais. Perguntou ao balconista: Tem remédio para rato? O balconista com aquela cara de sacana respondeu: Remédio para rato? O que é que seu rato tem? Dor da cabeça, enjôo, mal estar, estresse, indigestão? O tom alto da voz dele atraiu os olhares de outros clientes para o balcão. Foi um riso só. O cliente acanhado e muito constrangido por ser alvo de chacota pediu desculpas: Não é remédio, não. É o vício de falar como os outros falam. Eu quero veneno para rato. Tem? Refez a pergunta. O balconista, ainda com restinho de riso sarcástico no canto da boca respondeu: Tem. O Senhor vai levar? Não. Respondeu o cliente acanhado e constrangido: Vou trazer os ratos para comer aqui. Os risos voltaram-se para o balconista, que ficou acanhado e constrangido com a resposta do cliente e disse em tom áspero: Não tem graça nenhuma.

Combatendo os ratos

O moço que divulgou este método eficaz: É comer e queda. Ele explica como o drama dele foi contemplado com um “santo feijão”. “Mudei-me há poucos meses para o primeiro andar de um prédio. E como todo paulistano estou sendo vítima desses indesejáveis hóspedes.

Pergunta daqui, pergunta dali, pergunta dacolá... E uma amiga disse que feijão triturado matava ratos. Mas não detalhou porque. Fui pesquisar e descobri esse estudo na Universidade Federal de Pelotas. E o mais importante: Como fazer”, como forma de pagar o bem que recebeu, orientando os outros.

Modo de preparo

Pegue uma xícara de qualquer feijão cru (sem lavar mesmo), coloque no multiprocessador, ou liquidificador (sem água) e triture até virar uma farofinha bem fininha. Mas sem virar totalmente pó. Coloque em montinhos (uma colher de chá) nos cantos do chão, perto das portas e janelas (sim eles escalam as janelas), atrás da geladeira, atrás do fogão, atrás de tudo. Até na entrada ou saída daquele cano que vem da rua e vai para o seu quintal ou do chão até ao apartamento.

O rato morre

O que acontece? No arquivo do link consta o detalhamento técnico. Mas esmiuçando em português ou em brasileiro claro: O rato come essa farofinha. Eles acham uma delícia. Depois de barriguinha cheia vão para a sesta, dar um cochilo. E aí é que eles se “ferram”. O organismo dele não digere o feijão (cru), por falta de substâncias que digerem o feijão cru, causando assim um envenenamento natural por fermentação. Resumindo: a rataiada morre em até três dias. Detalhe importante: Ao contrário dos tradicionais venenos, racumim, por exemplo, o rato morre e não contamina animais de estimação, que muitas vezes morrem por terem comido o rato envenenado. E a quantidade de feijão que ele ingeriu e morreu é insuficiente para matar um cão ou gato, mesmo porque estes gostam de matar pra comer. Mas morto eles não comem. Se tiver crianças pequenas (bebês) ainda em período de engatinhamento, que colocam tudo na boca, não faz mal algum, pois o feijão para o ser humano, mesmo cru é digerido. E não tem contra indicação, a não ser para quem gosta de ratos, catitas e camundongos.