Earth First! e moradores de Schinveld e Brunssum derrotam a OTAN na Holanda

Há dois anos que a Frente Verde! - Earth First! holandês e belga, vêm travando conjuntamente com a comunidade local de Schinveld e Brunssum, no sudeste da Holanda, uma luta para preservar uma floresta que seria destruída por causa da ampliação de uma base aérea da OTAN - Organização do Tratado do Atlântico Norte (organização internacional de colaboração militar), situada junto à fronteira alemã.

Um acampamento de ação direta foi desalojado em janeiro último e 15 hectares foram destruídos, mas 35 ficaram a salvos. A Frente Verde! foi se preparando para reocupar o bosque esperando a decisão final de uma batalha judicial entre o governo local e o governo nacional. Agora, para grande surpresa de todos, os protestos foram acolhidos e a floresta salva definitivamente das garras sangrentas da OTAN.

Em 18 de julho, o Supremo Tribunal Administrativo holandês, considerou ilegal o corte de árvores na floresta de Schinveld. Isto significa que o ministro da defesa não pode continuar a destruição da floresta como a OTAN exigia, e o corte dos primeiros seis hectares em janeiro foram feitos ilegalmente.

A floresta seria destruída para permitir a decolagem, com mais combustível, dos aviões espiões AWACS de forma a poderem voar diretamente e sem reabastecimento até o Afeganistão e ao Iraque.

Os aviões AWACS são tremendamente barulhentos, poluidores e causadores de problemas de saúde para os moradores do entorno de suas decolagens e aterrizagens, foram proibidos de voar em alguns lugares nos Estados Unidos exatamente por essas razões.

Breve história


Há mais de 30 Anos que os habitantes de Schinveld vêm lutando contra a OTAN. Primeiro para pararem a reabertura da base militar, depois para reduzirem o incomodo causado pelos aviões AWACS, e desde a desocupação do acampamento e do corte de árvores em 2006, radicalizados pela Frente Verde!, agora lutam pelo fechamento total da base.

Quando a OTAN pediu o corte de 20 hectares da floresta, temendo que o governo local fosse ultrapassado pelos ministérios da defesa (proprietário da floresta) e das infraestruturas, os habitantes contataram a Frente Verde! e iniciaram a campanha que levou Schinveld às páginas do New York Times.

A Frente Verde! e o grupo de protesto da comunidade local, Stop Awacs, iniciaram uma série de pequenas ações. Depois da Primavera de 2005, o número de ações aumentou quando o ministro das infraestruturas soltou um despacho autorizando o corte das árvores.

O governo local e o grupo Stop Awacs tentaram parar o corte das árvores até que houvesse uma decisão final do supremo tribunal (que chegou recentemente), mas o tribunal de primeira instância decidiu contra em 2 de dezembro de 2005. Domingo, 4 de dezembro de 2005, a Frente Verde! ocupou a floresta e iniciou uma intensa campanha internacional.

O acampamento foi desalojado em 9 de janeiro de 2006. Na tarde do dia anterior cerca de 2000 mil moradores caminharam apoiando os ativistas, desobedecendo a uma ordem de interdição e aplaudindo o grupo de mais de 100 ativistas internacionais que estavam pendurados nas árvores nesse momento. Antes que a polícia pudesse começar a desalojar os ocupantes, teve que remover centenas de moradores que ficaram espalhados na floresta depois da manifestação, tentando evitar as barreiras da polícia e realizando outras ações de desobediência civil.

Ao longo dos últimos meses uma série de atividades ocorreram para impedir a destruição da floresta.

Mais infos e fotos (algumas contagiantes dos ativistas trepados nas árvores) verifiquem nos endereços a seguir:

Frente Verde!: www.groenfront.nl
Stop Awacs: www.stopawacs.nl
Earth First! Holanda/Bélgica: www.direkte-aktie.net
CMI-Holanda: www.indymedia.nl