“Caimbo” final

I

- Atento Gurupá, atento Gurupá, Amazônia chamando, câmbio

Mistura de chiado e silêncio.

- Atento Gurupá, atento Gurupá, Amazônia chamando.

- Gurupá na escuta, prossiga Amazônia.

- E aí Gurupá, tudo bem por aí?

- Rapá, vamo varando... quais são as moda, caimbo?

- As moda são o novo tempo de mudança que tão se fazendo, copiou?

- Copiei. Só não entendi o que tu quiz dizê!

- É um novo tempo de revolução. Revolução fundiária, preservação, manejo e liberdade.

- Ih, vocês tão se atrasando. Isso nós já fazemu, caimbo.

- Rapá, pensei que só Xapuri tinha se alertado pra essas coisas, que Deus tenha Chico Mendes.

- Poisé, machu. Aqui nóis tamu na luta, fazendo a nossa reforma agrária, no trabalho duro, mas tamu fazendo, copiou?

- Copiei. E vocês num contam nada pra gente, né? Pensei que Anapu seriam os próximos a se resolver, que Deus tenha a irmã Dorothy.

- Amém. Mas é que a gente faz a coisa pela beirada, quietinho, afinal eu sou Gurupá.

- Entendo.

- Ó. E Anapu vai sim se livrá dos patrão, vai vê!

- O problema são os fazendeiro de lá. Homens perigosos, câmbio.

- Mas eles num pode com o povo não. Acho mais perigo os cara que plantam a tal da soja, caimbo.

- Por que, Gurupá?

- Purque cum dinheiru se compra qualqué um. Santarém achou que era vantagem vendê suas terra pros sojeiro e vive só de cidade. Tá se complicando. Tá ficando arrenpendida, copiou?

- Certo, certo. Tu tá preparado aí pra uma bronca dessa?

- Rapá, tamu alerta pra qualqué problema desse.

- Deus te conserve. Gurupá, então vamu pra festa da mata, dos filhos e dos neto?

- Repete que o chiado não fez entendê!!

- Tô convidandu pra festa da mata, dos filhos e dos neto pra sempre, copiou?!!

- Será qui eu posso ir?

- Se pode? Tu vai ser um dos tocadores da festa, câmbio!

- Eita piseiro! Então pode esperá lá amigo. Posso levá uns parceiros, caimbo??

- Pode sim.

- Certo, não te preocupa, são tudo gente boa e com vontade de participar de uma festa dessa. Conhece o Afuá, caimbo?

- Nem Afu-B! ahaha!

- Certo, certo, vou levá os amigo então...

- Traz. Ó, aquela menina Breves continua doidinha, câmbio?

- Continua, mas com o tempo se emenda, ok?

- Ok, só eu vendo... mas olha, não vem com o Paragominas não, copiou?

- Purquê?

- Já aprontou muito por aí e ainda não acredito que se ajeitou. Não quero confusão, ok?

- Ok, copiado. Mais alguma coisa?

- Ah sim, entregou meu presente pra São Benedito?

- Tá entregue, caimbo.

- Obrigado. Já fiz até outra promessa, copiou?

- Vai fazendo que o santo é glorioso. Mais alguma coisa?

- Daqui mais nada não, espero vocês lá. Então fique com Deus e câmbio final.

- Fique com Deus também e caimbo final.

Fim de transmissão.

II
Meu filho, como anda a vida por aí?

Tudo bem, pai, tudo bem

Quantas latas na semana tiraram de açaí?

Umas cem, pai, umas cem

Como vai da gripe forte a Didi?

Ela tá bem, já está bem

Ao Bom Deus agradece o seu fim

Digo amém, pai, digo amém

Lá na sexta vou encontrar a ti

Então vem, pai, então vem

Deus te abençoe, mais nada daqui

Bença tem, pai, bença tem

Câmbio final.

Nete, foste pra festa do Calá?

Não fui Joana, fui não Joana

O teu Benedito tava por lá.

Sim o sacana, sim o sacana

Soubeste que tava a namorá?

Não me engana, ah não me engana

Quantos meses prenha tu tá?

Cinco semana, umas cinco semana

E tu já pensou ao teu pai ir contá?

Ai me esgana, ai me esgana!

Mas a barriga vai apontá

Vou pra Santana, vou pra Santana

Essa conversa bora pará

Tchau minha mana, tchau mana

Câmbio final.

Seu Afonso, o Nonato morreu!!

E foi? Meu Deus...

Tão rápido foi que aconteceu!

O que foi que sucedeu??

No peito uma combóia lhe mordeu!

E quando foi que se deu?

Na tapagem do igarapé, quando a lua apareceu!

Quando enterram aquele corpo seu?

Na quarta, vai no barco do Tadeu!

Que Deus o tenha, um bom homi faleceu!

Paro por aqui, minha fala se perdeu...

Eu também, mande um abraço meu...

Câmbio final.

Minha filha nasceu, Dona Luzia!!

E foi, que alegria, alegria!!

Nasceu ontem minha tia!

Que nome terá a tua filha?

Rita de Cássia eu queria

Pra Ana água inglesa eu teria

Ela toma uns chá todo dia

Diz pra num comê coisa que pitia

Vou fazê o mijo dela, ispia!

O Sabá agora vai, que num ia!

Traz o som e as caixa, copia

A mucura vai dançá noite e dia!!

Senão fosse o rádio o que eu faria??!

O que eu faria?

Câmbio final.

Fim de transmissão.