LABORATÓRIO DO ESCRITOR 2008

No dia 9 de julho, o escritor Marçal Aquino detalhará seu processo
de criação no consagrado ciclo de palestras
Laboratório do Escritor, em Macapá

Como surge um livro? Quais as técnicas utilizadas pelos autores para transformar sua inspiração em um romance ou conto? Estas e várias outras curiosidades que os leitores sempre tiveram vontade de perguntar a seus escritores favoritos serão respondidas no Laboratório do Escritor, evento criado pelas jornalistas Cristiane Costa e Valéria Lamego em 2006 e que há dois anos vem levando os mais importantes autores nacionais a abrir a caixa preta da criação literária.

A idéia da série é desmistificar a relação com a escrita, explicam as jornalistas e curadoras do Laboratório do Escritor. “Costuma-se dizer que arte é metade inspiração, metade transpiração. Vamos conferir isso”, diz Cristiane Costa. Entre as muitas questões a serem levantadas nesses encontros estão: se os autores fazem ou não pesquisa de campo ou em outras fontes; como enfrentam os momentos de dúvida, do bloqueio e da solidão; se vão direto ao ponto ou se precisam fazer sucessivas revisões e versões até achar o tom certo; como lidam com a eventual rejeição dos editores; sua relação com o mercado e com as críticas. “Ao contrário dos habituais seminários de literatura e idéias, neste, o escritor abrirá as portas de seu laboratório de idéias e personagens”, complementa Valeria Lamego. Mais informações sobre o projeto: www.versobrasil.com.br/laboratoriodoescritor

MARÇAL AQUINO EM MACAPÁ

O Laboratório do Escritor 2008-Macapá terá como convidado o escritor Marçal Aquino

Entre os escritores brasileiros que ganharam projeção durante os anos 1990, o paulista Marçal Aquino destaca-se como exemplo de uma narrativa personalíssima, capaz de prender o leitor da primeira à última linha, levando-o a visualizar cada cena descrita - característica que faz com que seu nome se torne cada dia mais conhecido. Jornalista e roteirista de filmes consagrados pela crítica, como O invasor, Marçal é um autor que jamais fecha os olhos para a brutal realidade do país. No entanto, seus contos e romances ultrapassam os limites do gênero policial. É o caso de seu mais recente livro, Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios (2005), passado numa região de garimpo no interior da Amazônia e do premiado O amor e outros objetos pontiagudos (1999), entre outros. Também merece destaque sua produção de livros juvenis, como o campeão de vendas A turma da rua 15 (1986).

SERVIÇO

LOCAL: FORTALEZA DE SÃO JOSÉ DE MACAPÁ

DATA: 9 de julho

HORARIO: 19H

Curadoria: Valeria Lamego
telefones: 21 2205 73 48/ 21 9187 4880
[email protected]

Cristiane Costa
telefones 21 2131 1194/21 8131 9072
[email protected]

Produção Macapá
Haraceli Thamara
Telefone 96 811 74191