Macapá sedia evento internacional
sobre desenvolvimento sustentável

Nos dias 16 a 22 de junho a Macapá receberá o Seminário Internacional Biodiversidade, Conservação e Desenvolvimento – Gerenciamento de Recursos Comuns. O evento que faz parte do processo de formação das turmas do LEAD (Programa de Lideranças em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) do México e do Brasil. Já em sua 9a turma o LEAD é um projeto de alcance global cujo foco de atuação está na preparação, fortalecimento e articulação de uma rede internacional de lideranças – que atualmente já congrega mais de 1200 pessoas em posições chave em cerca de 70 países – comprometidas com o estabelecimento de um modelo de desenvolvimento econômico mais igualitário, tanto do ponto de vista ambiental quanto social. A organização do Seminário fica por conta da ABDL – Associação Brasileira para a Formação de Lideranças, responsável pelo Programa LEAD brasileiro, o LEAD México dá apoio à iniciativa.

A proposta do evento é permitir que os 30 bolsistas da 9a turma do programa brasileiro e mexicano ampliem seus conhecimentos e perspectivas a respeito dos desafios presentes na conservação e desenvolvimento do patrimônio biológico e ambiental presente na região amazônica. Os participantes terão contato com o PDSA (Programa de Desenvolvimento Sustentável do Amapá), bem como serão apresentados casos análogos do México.

O Seminário também terá como objetivo preparar os participantes para um grande seminário internacional no México, em outubro, onde 200 profissionais vindos de aproximadamente 30 países, discutirão o tema de compartilhamento de recursos comuns.

O calendário do evento prevê quatro dias de palestras e discussões teóricas e dois dias para a realização visitas de campo. Na programação anexa há uma lista completa dos palestrantes entre os quais: Roberto Guimarães, da CEPAL, Arturo Argueta, do México, consultor sobre meio ambiente e medicina tradicional, Gabriel Ferreira – SPRN, Luciano Moreira Silva – IMAZON, além de outros. Nas visitas de campo os participantes entrarão em contato com algumas políticas implementadas no PDSA. Serão visitados quatro projetos: o Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA); a Cooperativa de Produtoras de Ervas Aromáticas do Amapá (COOPEA); o Projeto de Assentamento Agroextrativista do Rio Maracá (PAE-Maracá); e a última visita será realizada no Museu do Desenvolvimento Sustentável do Amapá.

Ao final do evento será elaborado um conjunto de materiais (CD-Rom, livreto e vídeo) formatados para servirem ao ensino fundamental. O objetivo é que as informações produzidas durante este encontro possam ultrapassar os participantes diretos, beneficiando o maior número possível de pessoas. Outro resultado prático será o desenvolvimento conjunto de um documento explorando aspectos do gerenciamento de recursos naturais que servirá de base para a apresentação brasileira no Seminário Internacional do México, em outubro próximo.

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.