Curso da Embrapa orientou sobre técnicas de cultivo de açaizal irrigado

O pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental (Belém-PA), João Tomé de Farias Neto, foi um dos palestrantes do curso "Manejo de açaizais nativos de mínimo impacto", realizado pela Embrapa Amapá no período de 11 a 15 deste mês, com aulas teóricas e práticas em áreas de experimentos de açaizeiros.
Cerca de 40 técnicos de extensão agrária e florestal do Amapá estiveram na palestra do pesquisador, focada nos procedimentos adequados de irrigação em açaizais cultivados em terra firme.

João Tomé apresentou um quadro geral da cadeia produtiva do açaí no Pará e detalhou as técnicas de cultivo irrigado implantada há 10 anos, em uma área da Embrapa no município de Tomé-Açu, no nordeste paraense. "O plantio em terra firme foi feito em março de 2003. O material genético foi coletado em Afuá (localidade do Baiano) e Chaves, porque nestes municípios ocorre produção no período da entressafra", explicou o pesquisador.
Instalada em uma área de 1,2 hectares, a unidade experimental de açaí irrigado amplia o tempo de produção e a safra é mais longa.

Durante a palestra vários técnicos manifestaram suas dúvidas com relação aos procedimentos corretos para o cultivo irrigado de açaizeiros. O pesquisador ressaltou que é fundamental seguir um planejamento de ações para se obter resultados satisfatórios, em quantidade e qualidade de
frutos de açaí. Ao descrever as etapas do planejamento da irrigação, lembrou que primeiro é preciso definir quanto irrigar, a proporção de quantidade de água para cada planta, sendo que o consumo de água depende da espécie, da idade, da área foliar, da profundidade das raízes, do espaçamento e da ocorrência de ervas daninhas.

Em seguida, o produtor precisa observar como irrigar, se por método de superfície que tem a desvantagem do desperdício de água ou da irrigação pressurizada, que tem o sistema convencional por aspersão e o localizado que é o gotejamento e microaspersão. "Ainda na fase de planejamento, o produtor de açaí precisa ficar atendo para definir quando iniciar a irrigação, o ideal é no segundo semestre do ano, a freqüência de irrigação ou turno de rega deve ser feito todos os dias, o tempo de rega depende da vazão", acrescentou João Tomé.

O açaizal irrigado rende três vezes mais em relação ao não irrigado e proporciona uma colheita quinzenal, ou seja, maior produtividade de frutos com cachos com mais frutos pesados, maior altura da planta e maior número de folhas emitidas. Já o açaizeiro não irrigado apresenta sazonalidade na produção (a partir dos cinco anos, no segundo semestre), menor produtividade dos frutos, menor altura das plantas, baixo sombreamento e alta queda de frutos, comparou o pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental.
Entre as recomendações, João Tomé destaca que as mudas precisam ter pelo menos oito meses de idade, o plantio deve ser feito no início das chuvas do ano seguinte, em fevereiro e março e com sementes de boa qualidade visando a produção de mudas.

BRS PARÁ - Na oportunidade, o pesquisador também descreveu o processo de produção da cultivar de açaí BRS Pará, lançada há cerca de quatro anos pela Embrapa Amazônia Oriental, como resultado de um trabalho que iniciou em 1984, sob a liderança de Rubens Lima. O pesquisador aproveitou para bater papo com os velhos amigos da Embrapa Amapá, unidade onde ele trabalhou até 2001.

Dulcivânia Freitas