Criado no Brasil, “primeiro software ecológico do mundo” calcula viabilidade econômica da reciclagem

Mônica Pinto / AmbienteBrasil

No próximo dia 24, às 18h30, no centro de ensino ESAMC de Sorocaba (SP), vai ser lançada a versão 1.6 do “primeiro software ecológico do mundo” - conforme o material de divulgação. Batizado de Verdes - sigla para Viabilidade Econômica da Reciclagem dos Resíduos Sólidos -, o programa pretende ser uma ferramenta prática para prefeituras, secretarias, instituições, ONGs, universidades e pesquisadores.

A mensuração dos resultados se dá analisando os mais lucrativos produtos reciclados do lixo urbano brasileiro - lata de alumínio, papel e papelão, plástico, vidro e lata de aço -, os quais representam mais de 90% dos valores mercadológicos conseguidos com o processo da reciclagem.

Com base na quantia produzida, reciclada e disposta em aterros, torna-se possível mensurar a economia de matéria-prima, energia, água e a redução dos danos ambientais, coleta, transporte e arranjo final do lixo. Com a quantia de lixo jogada nos aterros somada aos índices que foram reciclados, tem-se o total produzido ou consumido de um determinado produto.

“Já foi provado cientificamente que a reciclagem dos resíduos sólidos é viável economicamente, gerando trabalho e renda para milhares de pessoas, e sua adoção deixou de ser econômica para se tornar ecológica”, diz Márcio Magera, professor universitário, economista e consultor ambiental. Ele concebeu o Verdes em meio às atividades de seu pós-doutoramento em Sociologia, pela Unicamp.

“Ás vezes, uma Prefeitura paga R$ 100 mil ou R$ 200 mil para fazer um diagnóstico da reciclagem dos resíduos sólidos naquela cidade. O programa faz de graça, com uma margem de erro mínima”, disse a AmbienteBrasil, lembrando que, segundo o IBGE, os brasileiros geram 120 mil toneladas diárias de lixo, sendo que apenas um terço vai para os aterros sanitários devidamente controlados. “Os outros dois terços são disputados por catadores e vassalos da modernidade que vivem do lixo e no lixo”.

“Com a simplicidade de alguns toques, se pode saber em questão de segundos, o quanto sua região, cidade, Estado ou país, pode economizar e ganhar em matérias-primas, energia e água”, reforça o professor. Dentro do Verdes, há também um programa de gestão para Cooperativas.

O software está sendo distribuído gratuitamente aos interessados (para baixá-lo, é só clicar aqui). “Eu fiz o meu pós-doutoramento de graça na Unicamp, e quis retribuir”, diz Márcio Magera, para quem “todos devemos deixar o mundo ao menos um pouco melhor do que o encontramos”.