Falta de gaze paralisa cirurgias no Hospital Alberto Lima

Macapá, 22/08/07 - O deputado estadual Camilo Capiberibe (PSB), atendendo a uma denúncia feita por funcionários do Centro Cirúrgico do Hospital Alberto Lima, fez visita ao referido órgão e constatou que ele não estaria funcionando para cirurgias eletivas. A visita ocorrida na manhã desta quarta-feira (22) confirmou que o Centro Cirúrgico está desativado desde a última sexta-feira (17), por falta de gaze. A denúncia também foi confirmada pelos próprios funcionários do hospital.

A falta dos lotes de gaze que emperram o atendimento a população se dá pela desorganização da Central de Assistência Farmacêutica (CAF), onde funcionários públicos foram denunciados e presos pela Operação Antídoto em março último, por facilitarem o desvio de recursos públicos, justamente para aquisição de medicamentos e equipamentos para os hospitais e postos de saúde.

“Nós só possuímos gaze para atendimento emergencial, porque a CAF não está nos fornecendo”, afirmou Evandro Siqueira, administrador do Hospital de Clínicas, e que ainda questionado pelo deputado do PSB, admitiu que “é difícil entender que um Centro Cirúrgico não funcione por falta de gaze”. Ele afirmou ainda que o pregão eletrônico adquiriu medicamentos suficientes para apenas dez dias de funcionamento do hospital.

Além disso, o administrador disse que as novas regras adotadas pelo governo para controlar o estoque de medicamentos na CAF estariam burocratizando e impedindo o fluxo dos medicamentos adquiridos tanto para a entrada na CAF como para as unidades de saúde. Finalmente, o administrador do hospital sustentou que não há prazo para a regularização do atendimento. “Na CAF a informação é de que ainda esta semana o problema vai ser resolvido, mas não há data nem explicação dos procedimentos que podem garantir a normalização do atendimento”.

Em pronunciamento na Assembléia Legislativa, o deputado socialista relatou a visita e denunciou a situação precária encontrada por ele no Centro Cirúrgico do Hospital. “Pessoas que aguardam cirurgia há meses não são atendidas porque não tem gaze e isso é um absurdo, pois este material, que é básico, não possui custo alto”. Os problemas relativos à Operação Antídoto, segundo o deputado do PSB, continuam contaminando o atendimento ao cidadão amapaense. O deputado do PSB disse que o governo Waldez é incompetente e incapaz de garantir o atendimento de saúde, que é direito constitucional do povo amapaense

Serviço precário afeta o povo amapaense - em decorrência da interrupção do Centro Cirúrgico, familiares de pessoas que estão necessitando urgentemente de cirurgia no Hospital Alberto Lima, relataram sua decepção com o serviço de saúde pública que vem sendo prestado pelo governo. “Eu e meu filho fomos assaltados dentro de minha casa. Eu levei três tiros, meu filho, Êndrio, quatro. Desde 2004 venho tentando conseguir uma cirurgia para ele, e pela terceira vez não tenho êxito, pois ninguém dá nenhuma providencia. A saúde no Estado está uma negação e ninguém nem dá explicações”, acusou revoltado Edílson Brito.


Raul Mareco