FLORESTA AMAPÁ BENEFICIA RIBEIRINHOS
Parceria entre governo do Amapá e Jica visa estruturar setor madeira-moveis

O Projeto “Uso Sustentável de Recursos Florestais em Áreas de Várzea no Estado do Amapá”, o Floresta Amapá, teve sua terceira reunião oficial nesta terça-feira, 28, no salão nobre do Palácio do Setentrião. O governador Waldez Góes, representantes do Governo do Amapá, a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) e instituições parceiras discutiram os avanços, metas e resultados até agora alcançados pelo projeto.

A iniciativa da implantação do Projeto partiu da cooperação técnica entre o Instituto de pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa) e a Secretaria de Estado da Indústria, Comércio e Mineração (Seicom), junto a Jica, coordenada pela Secretaria Especial de Desenvolvimento Econômico (Sede). O acordo foi assinado em agosto de 2005, pelo governador Waldez Góes.

O Projeto Floresta Amapá visa estruturar o setor madeira-móveis que vai desde o manejo florestal, passando pela fabricação até a comercialização dos móveis, tanto para o mercado local, quanto externo. As comunidades até agora contempladas são de Mazagão Velho e Maracá. “O Floresta Amapá é um projeto pioneiro jamais desenvolvido, e o principal, é que ele está sendo reconhecido pelos ribeirinhos, que ganham com a melhoria na qualidade de vida, aumentam a renda familiar e preservam o ambiente em que vivem”, disse o secretário Especial de Desenvolvimento Econômico, Antônio Farias.

O projeto, que possui mais de 10 instituições, vai receber mais parceiros como: o Ministério de Minas e Energia, a Universidade de Brasília, a Universidade Federal do Rio de Janeiro e a Secretaria Extraordinária de Políticas Públicas para Afrodescendentes (Seafro).

Desenvolvendo o trabalho em áreas de queimadas e de extração desordenada de madeira, o projeto busca o remanejo florestal, mantendo espécimes de plantas, além do replantio e regeneração do solo.

A próxima etapa do projeto é transformar as associações em cooperativas. Para isso, um estudo está sendo elaborado para dar suporte aos líderes nessa transformação. A coordenadora local de cooperação internacional com o Japão, Alandy Simas, diz que é importante acompanhar o desenvolvimento do projeto passo a passo para garantir à comunidade o beneficio planejado.

Para avançar, o projeto pioneiro está discutindo a regularização fundiária para que a realização dos subprojetos de energia renovável, aproveitamento dos resíduos florestais, resgate da cultura local, artesanato e biojóias tenham continuidade em áreas que estejam dentro da legalidade fundiária.

O vice-coordenador de cooperação técnica internacional, Shinji Shibata, mostrou grande satisfação com o desenvolvimento do projeto, elogiando o compromisso de Waldez Góes, que percebe que este projeto visa além da melhoria da qualidade de vida dos ribeirinhos, a preservação ambiental, e desenvolve economicamente o Estado.

Shinji falou ainda que mais uma prova de que Waldez tem interesse no desenvolvimento, foi a adesão a Agenda do Milênio, que também faz parte da política japonesa.

O governador Waldez Góes reafirmou o compromisso e responsabilidade que possui com o projeto, na reunião. “Com transparência das instituições, transversalidade dos governos, parcerias, força e articulação dos ribeirinhos, cumpriremos rigorosamente o cronograma planejado para este projeto, mostrando que o pioneirismo do Estado do Amapá foi executado com sucesso”, concluiu Góes.

Bruna Martins
Assessora de Comunicação
32121169/81161686
[email protected]