Umberto Veronesi: Bissexualidade seria caminho natural para evolução da espécie

Roma. Para Umberto Veronesi, médico e ex-ministro da Saúde da Itália, a espécie humana está caminhando para a bissexualidade. O pesquisador tem causado polêmica em seu país depois de defender a teoria durante uma conferência na região da Toscana, no fim de semana.

Veronesi assegura que a bissexualidade é "resultado da evolução natural das espécies".

- O homem está perdendo suas características e tende a se transformar numa figura sexualmente ambígua, enquanto a mulher está se tornando mais masculina. Desta forma, a sociedade evolui para um modelo único - conclui.

O médico vislumbra um futuro no qual o sexo será apenas um gesto para demonstrar afeto, desvinculado de fins reprodutivos. Por isso, o ato passaria a ser amplamente praticado tanto com parceiros do mesmo gênero como do gênero oposto.

- Desde o pós-guerra, a vitalidade dos espermatozóides diminuiu 50% porque as mudanças das condições de vida estão fazendo com que a hipófise, responsável pela produção dos hormônios, secrete menos hormônios - detalhou.

Com as mulheres, que têm papel cada vez mais ativo na sociedade, acontece o mesmo.

Veronesi aposta que a sociedade passará a se organizar como as abelhas, graças à popularização das técnicas artificiais de reprodução - como clonagem e fecundação in vitro. A maioria da população seria praticamente assexuada e só uma pequena parcela se dedicaria ao cruzamento.

O antropólogo Fiorenzo Facchini, da Universidade de Bolonha, discorda:

- Do ponto de vista antropológico, a orientação sexual é definida a nível biológico pela espécie e isto não pode ser alterado - diz. - A reprodução também não é apenas o encontro de gametas, implica relação afetiva entre duas pessoas.