Amapá comemora o Dia do Profissional do Direito

Advogados, delegados, magistrados e acadêmicos de Direito reúnem-se para debater sobre as dificuldades e a importância da carreira jurídica para a sociedade

Joicilene Santos

No dia 11 de agosto é comemorado o Dia do Profissional do Direito. A data será marcada por várias comemorações em todo o Brasil. No Amapá, além da OAB, a Faculdade Seama prepara uma programação com palestras para a sexta-feira, 10, na Instituição.

O Dia do Profissional do Direito irá reunir vários representantes da carreira jurídica no Amapá, como a Magistratura, o Ministério Público, a Advocacia e os Delegados de Polícia. O evento quer mostrar a importância destes profissionais, suas principais dificuldades e os benefícios que proporcionam à sociedade.

“Será possível promover o engrandecimento do debate acadêmico sem se dissociar o pragmatismo decorrente da prática cotidiana do profissional do Direito”, explica a coordenadora do curso de Direito da Faculdade Seama, Priscilla Cardoso. A solenidade de comemoração ao Dia do Profissional do Direito será realizada no auditório da Seama a partir das 19h.

Entre os palestrantes estão Luiz Nazareno Borges (membro da Magistratura Estadual do Amapá), José Cardoso Lopes (membro do Ministério Público Federal), José Fernando Moraes Chuy (delegado da Polícia Federal), Priscilla Cardoso (coordenadora do curso de Direito da Faculdade Seama) e Pedro Rocha Passos Filho (coordenador do Núcleo de Prática Jurídica da Seama). Cada palestrante irá dividir com os acadêmicos e profissionais da área suas experiências profissionais.

Após as apresentações, haverá um debate dialético entre os palestrantes e o público. A programação será encerrada através de um coquetel de confraternização. “O evento nos permitirá homenagear o profissional da área, exaltando sua indispensável função de promoção, administração e distribuição da justiça em nosso país”, relata a coordenadora.

Conheça mais sobre a data

No dia 11 de agosto o Brasil comemora o dia do Advogado. Essa é uma tradição que remonta ao Primeiro Império no Brasil (1822-1831). Dom Pedro I, que havia proclamado a Independência do Brasil anos antes, queria que o novo país tivesse suas próprias leis.

Em 1824, foi redigida a primeira Constituição Brasileira. Mas não bastavam Leis sem alguém que as executasse. A partir dessa necessidade, o Imperador criou, no dia 11 de agosto de 1827, os dois primeiros cursos de Direito no País. Um foi inaugurado em Olinda, no Mosteiro de São Bento, e outro em São Paulo.