Quantidade versus valor da informação
Edward Melo

Vejamos como as coisas realmente mudam com o passar do tempo! Nossas preocupações de antes não são mais as mesmas de hoje necessariamente, não somente pelo assunto em si, mas também pela inversão de seus valores.

No início deste mês de agosto, em uma conversa com minha professora, Luiza Beth Nunes Alonso, após certa aula, ela relatou que em seu doutorado na década de 80 era tão difícil ter acesso à informação que eram poucas as fontes para auxiliá-la em sua tese. Esta era uma realidade preocupante, especialmente se levarmos em consideração que seu doutorado foi na Harvard University, nos Estados Unidos da América, instituição tida como a maior e melhor universidade particular do mundo.

Então como seria a realidade nas demais instituições de ensino? Nada diferente! Por isso mesmo as teses tinham que ser baseadas no desenvolvimento de algo surpreendentemente novo, sem precedentes, hoje nem todas são assim, podemos desenvolver uma tese com novas filosofias ou novas metodologias a cerca de assuntos já desenvolvidos, por exemplo.

Com o advento da internet o problema não é mais a escassez de informações, muito pelo contrário! É o excesso que nos atrapalha!

Ao navegarmos pela web temos centenas, até mesmo milhares de vezes muito mais títulos sobre determinados assuntos do que em qualquer biblioteca universitária com muito mais rapidez. A questão está na confiabilidade destas fontes, sabemos que muitos escritores publicam livros que parecem ser o resumo da leitura de dois ou três sobre o mesmo assunto, sem contar os incontáveis plágios que são disponibilizados.

O autor Carlos Tholt, em seu livro Decida com Inteligência, disponível pela ABRAIC, Associação Brasileira dos Analistas de Inteligência Competitiva, relata a dificuldade que analistas têm em fazer uma análise que lhes auxiliem em uma tomada de decisão e que muitas das vezes o excesso de informações só lhes atrapalha.

Caso estas informações não agreguem valores úteis como detalhes sobre informações já sabidas, ou variáveis adicionais relevantes à questão, o excesso de informação em nada contribui na vida destes analistas no momento de tomadas de decisões, podendo fazer com que estes se percam em meio destas, pior é quando novas informações contradizem informações anteriores. E agora, em qual confiar?

O nosso maior problema hoje não é o acesso à informação, como dito anteriormente, é sim sua “garimpagem” na hora de sua coleta, não devemos abrir o primeiro texto que nos aparece nos “googles” ou “yahoos”. Devemos começar a nos preocupar com a verificação das fontes, dos escritores, de suas procedências, editores, ou seja, coisas que de fato nos respaldem para a sua utilização.