Embrapa realiza curso de cultivo da bananeira no Amapá



Uma das frutas mais consumidas no Brasil, a banana é cultivada em todo o país. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que em 2006 foram produzidas 3.250 toneladas de bananas no Amapá, o que coloca o produto em segundo lugar no ranking da lavoura permanente daquele ano, perdendo apenas para a laranja. A importância da banana no estado levou a Embrapa Amapá a realizar um curso de cultivo para técnicos da extensão rural, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) e Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá (Rurap). Composto de aulas teóricas e práticas, o curso teve início na quarta-feira, 10, e termina nesta sexta-feira, 12, com uma visita a uma estrutura de climatização de banana, em Macapá.

O engenheiro agrônomo Jackson dos Santos explica que o objetivo é possibilitar aos técnicos de extensão a atualização do conhecimento e das tecnologias referentes ao cultivo da bananeira, ao mesmo tempo em que divulga os materiais da Embrapa resistentes a pragas que infestam bananais. "O clima do Amapá é bastante favorável ao cultivo da banana, o solo pode ser corrigido no aspecto químico. Porém, percebemos que o estado está importando banana de outros estados, quando pode aumentar sua própria produção a partir da aplicação de tecnologias adequadas e utilização de variedades resistentes a doenças", observou o agrônomo da Embrapa Amapá.



Atualmente cinco cultivares estão sendo avaliadas no Amapá, em áreas do campo experimental de Fazendinha e da Escola Família Agrícola do Pacuí. Os materiais recebem os nomes de Pacovan Ken, Maravilha, Preciosa, Japira e Tropical, todos trazidos da Embrapa Mandioca e Fruticultura, localizada em Cruz das Almas (BA). Os testes de avaliação começaram em janeiro deste ano e prosseguem até o final de 2009.

No primeiro dia do curso, Jackson dos Santos falou sobre os aspectos fitotécnicos no cultivo da bananeira no Amapá, detalhando procedimentos do manejo, cultivares indicadas para o Amapá, espaçamento, adubação, tratos culturais e colheita. Em seguida, a pesquisadora Jurema Dias abordou junto aos técnicos de extensão a questão das pragas e doenças que atacam as bananeiras, como a Sigatoka-nega, o Mal-do-Panamá e Moco-da-bananeira. Os aspectos entomológicos no cultivo da bananeira também fazem parte do curso, sendo abordado pelo pesquisador Adilson Lopes Lima.

Na manhã desta quinta-feira, 11, o pesquisador Marcelo Carin do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas (IEPA) conduziu a visita técnica ao laboratório desta instituição para verificar o processo de produção 'in vitro' de mudas de bananeiras. À tarde, a pesquisadora Valéria Saldanha Bezerra vai falar sobre as boas práticas na fase da pós-colheita da banana, ressaltando sua importância para reduzir o desperdício da banana que chega até 60% antes de chegar ao consumidor. O último dia do curso, na sexta-feira, 12, contará, na parte da manhã, com aula prática no campo experimental da Embrapa Amapá no distrito de Fazendinha, onde os técnicos terão a oportunidade de verificar a produção de mudas de bananeiras, controle de pragas e doenças, colheita e beneficiamento pós-colheita da banana.

Dulcivânia Freitas