Yamada é denunciada pelo Ministério Público por crime ambiental


A implementação de ambiciosos projetos comerciais no entorno da Lagoa dos Índios, é a responsável pela constante modificação de todo cenário que era formado por árvores de médio porte, que se tocavam formando uma cobertura arbórea de até 95% de grande beleza cênica, harmônica paisagística e conservadora da biodiversidade.

O texto acima citado, faz parte da denúncia ofertada pelo Ministério Público do Estado do Amapá, contra a Y.Yamada S.A Comércio e Indústria e contra Junichiro Yamada, empresário paraense que se instalou em Macapá.

Segundo a denúncia, os dois prédios principais da área de entorno da Lagoa dos Índios está sendo ocupado por uma das filiais da empresa denunciada, que em Macapá, atua com o nome de "Yamada Lagoa".

A perícia feita na área por técnicos do meio ambiente constatou que as atividades desenvolvidas pela empresa estão produzindo lixo, destruindo matas ciliares e vegetação nativa, além de contaminar a água da Lagoa, promovendo danos ambientais irrecuperáveis.

A denúncia é referente ao Inquérito Policial de nº 0253/2004- DEMA/CIOSP, onde estão denunciados a empresa Y. Yamada S.A Comércio e Indústria e Junichiro Yamada.

O Ministério Público Estadual, por meio da Promotoria do Meio Ambiente e Recursos Agrários requereu que os denunciados sejam citados e interrogados.

A denúncia foi ao Juiz Décio Rufino, Titular da Vara Criminal da Comarca de Macapá. Segundo levantamento fotográfico vários tubulações de despejo de esgoto estão direcionadas para a Lagoa dos Índios despejando grande quantidade de matéria orgânica e de metais, plásticos, isopor, papel e outros variedades de lixo.

A denúncia do Ministério Público contra a empresa Y.Yamada S/A, foi assinada pela Promotoria de Justiça Ivana Cei, Titular da Promotoria do Meio Ambiente de Macapá, e pelo Promotor de Justiça Haroldo Arruda Franco, da 3ª Vara Criminal e Auditoria Militar.