Governo Federal criou comissão para implantar políticas às vítimas de escalpelamento


Noronha, Socorro, Nilcéia, Trindade, Janete Capiberibe
e Ana Beatriz (Crédito: Sizan Luis Esberci)

Brasília, 20/09/2007 - A presidente e a vice-presidente da Associação das Mulheres Vítimas de Escalpelamento, Maria do Socorro Pelaes Damasceno e Maria Trindade Gomes, reuniram-se em audiência, nesta quinta-feira, 20, com a ministra da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Nilcéia Freire e com o secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde José Carvalho de Noronha. Elas estavam acompanhadas pela deputada federal Janete Capiberibe (PSB/AP), pela presidente da UNEMFA Ivone Luzardo e por representantes de parlamentares do Amapá e da Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres.

Socorro e Trindade cobraram dos representantes do Governo Federal a pauta de reivindicações de políticas públicas às vítimas de escalpelamento. Ouviram do secretário Noronha que o Governo Federal criou uma comissão especial para acompanhar a situação das vítimas e propor a implantação das políticas públicas necessárias.

Outra sugestão, surgida na reunião, é que os governos estaduais tomem atitudes de prevenção aos acidentes com barcos a motor que resultam em escalpelamento e mutilações. Só no estado do Amapá, são cerca de 1,4 mil vítimas conhecidas. No Amazonas, onde foi sancionada uma lei estadual obrigando a instalação da carenagem no motor e eixo dos barcos, houve uma sensível redução no número de acidentes.

Em nível federal, o projeto de lei 1.531/2007, da deputada federal Janete Capiberibe (PSB/AP), obriga a instalação da proteção no motor e no eixo dos barcos. A proposta está na Comissão de Viação e Transporte da Câmara dos Deputados. “Temos que continuar trabalhando em várias frentes”, explica a deputada Janete Capiberibe. “Uma para evitar novos acidentes, outras para resgatar a dignidade das pessoas acidentadas com uma política pública definida. Uma terceira para reduzir o preconceito e a falta de visibilidade. As mulheres vítimas foram corajosas quando se desafiaram a mostrar seu problema para todo o país e para cobrar ações do poder público. Estamos juntas nesta mobilização que já está repercutindo em todo o país e dará dignidade à muita gente”, compromete-se a deputada Janete Capiberibe.

Sizan Luis Esberci