Grito dos Excluídos em Macapá coletará assinaturas para o Projeto de Lei Popular Ficha Limpa

O 15º Grito dos Excluídos/as tem como lema: “vida em primeiro lugar: a força da transformação está na organização popular”, realizado em todo o Brasil em 7 de setembro, dia da Pátria. Como nos anos anteriores, no Amapá, a articulação do Grito está sendo feita pelas Pastorais Sociais da Diocese de Macapá, envolvendo a Comissão Pastoral da Terra (CPT), Pastoral Carcerária, Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), Pastoral da Criança, grupos da Infância Missionária, Renovação Carismática Católica (RCC), algumas paróquias e organizações populares.

A programação do dia 7 começa às 08h da manhã com a concentração na arena do bairro Marabaixo 3, zona oeste de Macapá. A caminhada celebrativa fará paradas em frente das escolas, postos de saúde, penitenciária feminina e do Iapen, com reflexões sobre os Direitos Humanos, combate à violência e cultura da Paz, com atenção especial à realidade da mulher presa e seus bebês, das famílias de presos e presas. A chegada da manifestação pública será na Igreja de Santa Maria, bairro Cabralzinho, com apresentações teatrais e jovens e crianças.

Outros municípios amapaenses irão realizar o Grito dos Excluídos em datas posteriores: Laranjal do Jarí, Vitória do Jarí, Oiapoque, Porto Grande, Calçoene e Afuá/PA, esse último com mais de cem comunidades que pertencem a Diocese de Macapá.

Durante a caminha será intensificada a campanha de coleta de assinaturas do Projeto de Lei de Iniciativa Popular Ficha Limpa, de Combate a Corrupção Eleitoral. Por meio das pastorais CPT, CEBs, cursos Teologia Viva, Fé e Política, paróquias, comunidades e organizações sociais já foram recolhidas duas mil e quatrocentos assinaturas, o equivalente a mais de 1% dos eleitores do Estado, mas a meta é chegar a três mil assinaturas até o dia 7 de setembro. O objetivo é alcançar um milhão e quatrocentas mil assinaturas em todo o Brasil. Outras informações nos sites do MPF/AP e do MCCE.

De acordo com a coordenação nacional do Grito “a crise do capitalismo deixa claro o esgotamento desse ciclo e também é certo que os pobres é que já estão pagando por ela. Esse momento apresenta possibilidades de mobilização e lutas por mudanças, porém sentimos que a ‘nossa crise’ é a ausência de uma proposta mais elaborada de um novo modelo de desenvolvimento onde a vida esteja em primeiro lugar”. Foi pensando por aí que ganhou força a proposta do lema: Vida em primeiro lugar: a força da transformação está na organização popular.

O Grito dos Excluídos é uma grande manifestação popular para denunciar todas as situações de exclusão e assinalar as possíveis saídas e alternativas. que no dia sete de setembro (no Brasil) e no dia 12 de outubro em toda a América, há 11 anos, mobiliza milhões de pessoas sob o lema “Por Trabajo, Justicia y Vida”. Antes de tudo, é uma dor secular e sufocada que se levanta do chão. Dor que se transforma em protesto, cria asas e se lança no ar.

Outras informações e contatos nos fones 8119-3681/ 9117-9146

(Oscar Filho - Pastoral da Comunicação)